12 de dezembro de 2011

Advento 2011. Perguntas inconvenientes?


Naquele tempo, Jesus foi ao templo e, enquanto ensinava, aproximaram-se d’Ele os príncipes dos sacerdotes e os anciãos do povo, que Lhe perguntaram: «Com que autoridade fazes tudo isto? Quem Te deu tal direito?» Jesus respondeu-lhes: «Vou fazer-vos também uma pergunta e, se Me responderdes a ela, dir-vos-ei com que autoridade faço isto. Donde era o baptismo de João? Do Céu ou dos homens?» Mas eles começaram a deliberar, dizendo entre si: «Se respondermos que é do Céu, vai dizer-nos: ‘Porque não lhe destes crédito?’ E se respondermos que é dos homens, ficamos com receio da multidão, pois todos consideram João como profeta». E responderam a Jesus: «Não sabemos». Ele por sua vez disse-lhes: «Então não vos digo com que autoridade faço isto».
É verdade que as perguntas exigem respostas.
Jesus acorda com os seus inquiridores. Uma resposta por outra.
Mas… quando se é levado pela mesquinhez e pequenez depressa se é apanhado.
Para Jesus não há perguntas inconvenientes. Há perguntas mal intencionadas. Há perguntas mal feitas.
Como são as minhas perguntas? Mesmo aquelas que vejo respondidas!
E as que não vejo respondidas? São reformuladas?
A questão fundamental, aqui, baseia-se num certo modo de nos posicionarmos diante de Jesus Cristo!
Estamos mesmo bem posicionados?

Descobrir o essencial!

Diante do Senhor que vem, reconhecemos que os nossos caminhos não são os seus (cf. Is 55, 9) e somos impelidos a converter-nos, a mud...