19 de outubro de 2017

Alma que espera...

A esperança é sempre uma boa aposta se for esperança em Deus.
Ele é que é a fonte da esperança e Ele não desilude!




Eu confio no Senhor, 
a minha alma espera na sua palavra. 
A minha alma espera pelo Senhor 
mais do que as sentinelas pela aurora

Salmo 129(130)



17 de outubro de 2017

Fidelidade (Great Is Thy Faithfulness)







A fidelidade do Senhor permanece para sempre!

"Devemos ouvir os jovens!". Será mesmo?


XV ASSEMBLEIA ORDINÁRIA GERAL DO SÍNODO DOS BISPOS

Jovens, fé e discernimento vocacional



Com esta jornada, a Igreja quer ouvir a voz, a sensibilidade, a fé e também as dúvidas e críticas dos jovens. Devemos ouvir os jovens! (Papa Francisco, ao convocar uma reunião pré sinodal, agendada para Março de 2018)

Precisamos abordar os jovens não só para nos ajudar a entender "como" anunciar a mensagem cristã hoje, mas também para entender melhor "o que" o Senhor Jesus pede a sua Igreja hoje ", o que ele espera desse momento histórico" o que "cortar" e o que "em vez de encontrar dentro de sua missão. (Cardeal Lorenzo Baldisseri, Secretário Geral)

“Os jovens são importantes, têm papel decisivo no futuro e é preciso dar-lhes espaço, inseri-los e também receber os seus contributos”. (D. Joaquim Mendes)


Diante disto, estou convencido que não basta dizer e desejar que os jovens sejam ouvidos na Igreja/pela Igreja. Pergunto-me se eles querem mesmo falar à Igreja? Será que estão dispostos a isso? Ou reina entre nós a indiferença generalizada que advém da secularização?

Mais ainda: Será que nós os queremos mesmo escutar? Muitas vezes não estou certo disso...

Além disso: Será que criamos as condições/espaços/lugares para que os que querem falem e nós os escutemos?


Não conheço a totalidade das iniciativas diocesanas sobre esta matéria. Conheço algumas. Mas vou vendo o tempo a passar, as fases diocesanas a concluir-se, e vou constatando pouco entusiasmo. O que é pena! E também sinal. 



16 de outubro de 2017

Semear e despertar a esperança!




Depois de muitos dias a ver aquela senhora a fazer aquilo o homem ganhou coragem e perguntou: 
-Bom dia! Porque é que todos os dias a senhora atira sementes para a estrada? 
-Bom dia! Porque todos os dias, olho para ela e vejo-a vazia e sem vida e assim com o lançar destas sementes espero um dia que elas nasçam e encham de vida esta estrada. 
-Mas repare, ao lançar as sementes muito provavelmente o vento vai levá-las, os pássaros irão comê-las e nenhuma dará aqui fruto. 
-Pelo menos eu tento e tenho esperança, agora só me resta esperar!

(autor desconhecido)

13 de outubro de 2017

Um Deus que serve!


EVANGELHO – Mt 22,1-14. XXVIII Domingo do Tempo Comum

Naquele tempo, Jesus dirigiu-Se de novo aos príncipes dos sacerdotes e aos anciãos do povo e, falando em parábolas, disse-lhes: «O reino dos Céus pode comparar-se a um rei que preparou um banquete nupcial para o seu filho. Mandou os servos chamar os convidados para as bodas, mas eles não quiseram vir. Mandou ainda outros servos, ordenando-lhes: ‘Dizei aos convidados: Preparei o meu banquete, os bois e os cevados foram abatidos, tudo está pronto. Vinde às bodas’. Mas eles, sem fazerem caso, foram um para o seu campo e outro para o seu negócio; os outros apoderaram-se dos servos, trataram-nos mal e mataram-nos. O rei ficou muito indignado e enviou os seus exércitos, que acabaram com aqueles assassinos e incendiaram a cidade. Disse então aos servos: ‘O banquete está pronto, mas os convidados não eram dignos. Ide às encruzilhadas dos caminhos e convidai para as bodas todos os que encontrardes’. Então os servos, saindo pelos caminhos, reuniram todos os que encontraram, maus e bons. E a sala do banquete encheu-se de convidados. O rei, quando entrou para ver os convidados, viu um homem que não estava vestido com o traje nupcial. E disse-lhe: ‘Amigo, como entraste aqui sem o traje nupcial?’. Mas ele ficou calado. O rei disse então aos servos: ‘Amarrai-lhe os pés e as mãos e lançai-o às trevas exteriores; aí haverá choro e ranger de dentes’. Na verdade, muitos são os chamados, mas poucos os escolhidos».



Esta parábola ajuda-nos a não nos enganarmos sobe Deus. Muitas vezes, pensamos Nele como um Deus que chama a servi-lo e, pelo contrário, é Ele que nos serve. Muitas vezes tememo-lo como o Deus dos sacrifícios e, no entanto, Ele é o Deus que toma a peito a nossa alegria. 
Pensamos Nele distante, marginalizado, contudo Ele está no coração da vida, dentro desta sala do mundo, como uma promessa de felicidade. E prefere a felicidade dos seus filhos à sua fidelidade. Porque a alegria é como uma escada de luz que pousa no coração e se eleva até Deus.

Ermes Ronchi e Marina Marcolini, in “A Esperança que nasce da Palavra”  

12 de outubro de 2017

Vice-versa




Quem não descobre o amor - não encontra Deus.
Quem não encontra Deus - não vê o mistério do mundo. 
Quem não vê o mistério do mundo - não vive a vida.
Quem não vive a vida - não descobre o amor.
E vice-versa:
Quem não encontra Deus - não vê o amor.
Quem não descobre o amor - não vê o mistério.
Quem não vê o mistério - não sabe viver a vida.
Quem não vive a vida - não encontra Deus.

Raimon Panikkar

10 de outubro de 2017

Misericórdia! Papa Francisco

“Os teimosos de alma, rígidos, não entendem o que é a misericórdia de Deus”, alertou o Papa Francisco na sua homilia matinal.
“Os rígidos são covardes, têm um coração fechado, apegados à justiça pura. E esquecem-se que a justiça de Deus se fez carne em seu filho; fez-se misericórdia, fez-se perdão, o coração de Deus está sempre aberto ao perdão”.

9 de outubro de 2017

Viver a Fé em Igreja Doméstica


Todos nascemos numa família e todos somos profundamente influenciados pela vivência em família. Não há famílias ideais nem um único modelo de família. Há um sem-número de situações familiares diferentes mas, olhando a espantosa diversidade existente no mundo, acreditamos que Deus ama a diferença e que todos os seres humanos têm lugar no Seu projeto criador.
Igreja é a reunião de todos aqueles que acreditam em Deus e querem viver a mensagem de Jesus. Todas as famílias podem ser Igreja Doméstica.
Gostaria de considerar como “família” também quem, embora esteja só, traz consigo muitos no coração.

Lucy Wainewright
Autora do livro “Ir à Igreja, Pertencer à Igreja, Ser Igreja”

Alma que espera...

A esperança é sempre uma boa aposta se for esperança em Deus. Ele é que é a fonte da esperança e Ele não desilude! Eu confio...