29 de maio de 2013

O que mais custa na vida de um padre: dizer "não" às pessoas!




Considero-me ainda um padre jovem no ministério. Ainda não fez três anos que fui ordenado.
Da minha pouca experiência do ministério sacerdotal posso facilmente tirar esta conclusão: o mais difícil para mim é dizer que "não" às pessoas.
A todos os níveis. Para a admissão à celebração dos sacramentos, para a atestação de idoneidade, para uma presença mais efectiva aqui ou acolá...
Confesso que sinto que seria bem mais fácil e cómodo, e menos trabalhoso até, mais descansado portanto, dizer "sim" a tudo. Na admissão à celebração dos sacramentos, na atestação da idoneidade...
Mas sinto-me em plena comunhão com a Igreja, com as suas orientações, com o Magistério... Sei também, não me acusa a consciência, de que os "nãos" que tenho dito deveriam ter sido "sins" e vice-versa. Não creio ter dito "nãos" que devessem ter sido "sins".
Mas, apesar da consciência tranquila em relação a isto, confesso que dizer "não" me custa muita, também porque as pessoas não querem ouvir "nãos", e preferem sempre ouvir "sins". Também porque muitos reclamam "direitos" mas não estão dispostos a fazer caminho em Igreja, com a Igreja.
Continuo a aprender... E espero que o Espírito Santo inspire sempre o Papa Francisco a dizer o que tem dito mas também na revisão da legislação da Igreja...


Pe. JAC

Descobrir o essencial!

Diante do Senhor que vem, reconhecemos que os nossos caminhos não são os seus (cf. Is 55, 9) e somos impelidos a converter-nos, a mud...