3 de junho de 2018

O espírito da lei



No centro do anúncio da Igreja está o exemplo do Filho de Deus, que «sendo de condição divina se tornou semelhante a nós». Este movimento de descida da divindade é expressão do amor infinito de Deus que, sem deixar de ser Deus, tornou-se homem para que o homem «recuperasse a semelhança perdida pelo pecado».
A estratégia divina parece ser claramente da diluição da barreira entre o sagrado e o profano, entre o mundo e o reino de Deus (pelo menos é-nos difícil estabelecer essa fronteira), uma estratégia válida, já que o mundo, o barro de que nos fala S. Paulo, é de um valor incomparavelmente inferior ao tesouro que ele transporta, mas ainda assim indispensável para que o precioso conteúdo seja transportado.
O tesouro de Deus é, portanto, formatado por esta matéria caduca, variável consoante a circunstância histórica, mas não se torna refém dela. Dito de outro modo, no mistério da encarnação a Palavra incriada tornou-se também uma forma, uma figura, um rosto, uma expressão humana limitada no tempo - o tempo está em si mesmo em inexorável decomposição, é necessário como o ritmo na música, como estrutura organizadora de uma melodia -, mas não se tornou escravo dessa figura nem desse rosto.
É corajosa a releitura que Jesus faz da lei que obrigava a respeitar escrupulosamente o descanso sabático (cf. Marcos 2, 23 - 3, 6). Lei, variação da matéria animada por um espírito, datada de um tempo e um lugar que, fora de contexto, uma vez absolutizada, torna-se arma de arremesso, e não estrutura potenciadora do crescimento de um sujeito, individual ou coletivo.
É comum a tendência para divinizar a lei ou a linguagem própria de um tempo. Como todos os grupos, também na comunidade crente, por vezes, por detrás de um sorriso sereno, mantém-se o debate aceso sobre certos temas, persiste a discussão sobre questões morais, expressões litúrgicas, orientações disciplinares, entre outras, que, convenhamos, foram desenhadas num contexto e continuam a condicionar as novas formas de dizer a Boa Nova. A verdade é que esta linguagem tornou-se um enigma para os homens de hoje. «Não se entende», dizem. «Estes princípios não fazem sentido», confidenciam-me. «É impraticável esta disciplina», repetem. Não, não podemos dizer que é a lei de Deus que está em causa, mas uma expressão do espírito da lei que persiste muito para além do seu prazo de validade. «A lei de Deus é a mesma», protestava zangada uma boa senhora, só porque a missa tinha deixado de ser em latim. A lei de Deus?
O risco da absolutização da lei é evidente: a catalogação entre os bons cristãos, os aparentemente cumpridores, e os fracos, os de segunda categoria, os que deslizam naturalmente para o patamar de «não praticantes», os que vivem na periferia.
O Senhor chamou-nos amigos e não servos, isto é, escravos da lei. Procuremos ser fiéis aos seus ensinamentos. Amigo significa ter a coragem e a liberdade para repensar e repor novas formas reconfiguração do espírito da lei, obedecendo à pedagogia divina, que continuamente nos inspira a propor a mensagem do Mestre. Afastarmo-nos dos ensinamentos é um passo para o confronto com a dramática bifurcação entre o legalismo frio e estéril e o agnosticismo prático. Não, não nos afastemos do espírito dos ensinamentos de Jesus.


Nélio Pita, CM visto aqui

Missão é partir

“Missão é partir, caminhar, deixar tudo, sair de si, quebrar a crosta do egoísmo que nos fecha no nosso Eu.  É parar de dar volta a...