29 de janeiro de 2009

Exagero de amor (a prodigalidade)



Rompo a aliança
Selada em amor
Começada por Ti,
Ó Pai criador.

Esbanjo sem mais
Pensando em mim
Gozando, feliz,
Me sinto assim.

Mas cedo virá
Frustração sem medida
E caindo em mim
Programo a partida.

Aberto te encontro
De braço estendido
Meu corpo sem roupa
Queres ver revestido.

A festa que fazes
Não a sinto merecida
Mas o teu perdão
Não conhece medida.

Tu és sempre assim
Mãe e Pai acolhedor
E por mim, manifestas
Um exagero de amor.


inédito José António Carneiro
13/03/07


© foto tirada daqui

Descobrir o essencial!

Diante do Senhor que vem, reconhecemos que os nossos caminhos não são os seus (cf. Is 55, 9) e somos impelidos a converter-nos, a mud...