29 de janeiro de 2009

Exagero de amor (a prodigalidade)



Rompo a aliança
Selada em amor
Começada por Ti,
Ó Pai criador.

Esbanjo sem mais
Pensando em mim
Gozando, feliz,
Me sinto assim.

Mas cedo virá
Frustração sem medida
E caindo em mim
Programo a partida.

Aberto te encontro
De braço estendido
Meu corpo sem roupa
Queres ver revestido.

A festa que fazes
Não a sinto merecida
Mas o teu perdão
Não conhece medida.

Tu és sempre assim
Mãe e Pai acolhedor
E por mim, manifestas
Um exagero de amor.


inédito José António Carneiro
13/03/07


© foto tirada daqui

Sem comentários:

Enviar um comentário

Semear e despertar a esperança!

Depois de muitos dias a ver aquela senhora a fazer aquilo o homem ganhou coragem e perguntou:  -Bom dia! Porque é que todos os dias ...