17 de junho de 2009

No horto com Cristo



No horto do esquecimento e da dor
Eu quero entrar conTigo.
Nele quero fazer-Te companhia
A ti que vives e sofres a solidão dos homens
Que carregas o peso da dor e do abandono.
Uns fugiram, outros dormem
Mas Tu velas por amor até ao fim.
Como faz doer a dor da solidão.
Tão profunda, tão aguda
Que as lágrimas já não são lágrimas
senão gotas de sangue
e pedaços de carne despedaçada.
Essa dor espiritual fere brutalmente
Talvez mais que o peso da cruz
Mais que os cravos na carne
Mais que o peso humano elevado no madeiro.
Tu sofres e eu quero sofrer conTigo.
Sei-me fraco, impotente
Não capaz de aliviar o sofrimento.
Mesmo assim esforço-me
Para o que puder.
Só Tu podes tudo
E livremente caminhas para a morte humana.
Mas não morres para Deus,
Para Ele ninguém morre
Muito menos o Filho amado.
E porque me sinto filho
Sei-me capaz de colaborar
Na Tua hora mais alta:
A do amor e da dor.
Faz-me firme
Mesmo na noite e na intempérie
Na tempestade e na solidão.

inédito JAC

3 comentários:

  1. parabéns, pelo blog, queria compartilhar contigo o meu
    www.viasdavida.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. Obrigado geraldo

    prometo passar por aí!

    ResponderEliminar
  3. Olá!
    Obrigada por esta partilha...falou-me de um modo particular neste momento...
    Contigo, peço Àquele que tudo pode, que me mantenha firme e que, apesar da minha pequenez, me ensine a sofrer com e como Ele!...
    Abraço amigo

    ResponderEliminar

A Deus o que é de Deus!

De Deus é a terra é tudo o que ela contém, de Deus é o homem, aquele homem que é como um sopro que passa, mas que também é um pouco infe...