12 de julho de 2009

Coração elevado





Cansado arrasto-me pelo caminho
Meio morto vagueio sem rumo
E não vejo a maneira de alcançar o destino
Sem luz e sem força eu não me aprumo.

A história é feita de passos mal dados
E às vezes vou indo, pensando ir bem
E sinto a tristeza de actos não pensados
E rezo: “Vela por mim, Senhor. Ámen”.

A razão retrai-se, eleva-se o coração
Nos momentos gratuitos à luz do luar
Abraço a ternura e deixo-me envolver.

E sinto o amor na palma da mão
E vejo a fraqueza sempre a triunfar
Mesmo que seja na hora de morrer.



Esta foto foi tirada pelo José Carlos Ferreira. Deixou-me usá-la.
Gosto dos contrastes: a cruz - sinal do amor e da dor - entre a pedra=terra e o céu, entre a rocha e o azul.

Peço desculpa por não ter andado por cá nestes últimos dias. O trabalho tem apertado.

Descobrir o essencial!

Diante do Senhor que vem, reconhecemos que os nossos caminhos não são os seus (cf. Is 55, 9) e somos impelidos a converter-nos, a mud...