13 de outubro de 2009

Sem medo




Caí!
Envergonhei-me primeiro
E não tenho coragem de olhar-te!

Lutei!
Pensando que estava sozinho.
Mas não!
Tu lá estavas
Sempre próximo e disponível
Amoroso como Pai e Mãe.


Venci!
Tu estavas – e estás – por mim.
Que mais posso desejar?
Agora não me envergonho de cair
Sei que me ajudarás a levantar-me!

Obrigado pela providência!

JAC
10.10.09

3 comentários:

  1. Parece que este poema é recente, ainda ninguém comentou, eu como apaixonada que sou por poemas, não me escapa um! os poemas transmite muito do que sentimos, coincidência ou não, os seus diz-me muito. Tanto que já copiei alguns para o hi5 e para "acaminho". Posso continuar?
    Caímos sim, tantas vezes! E fazem-nos cair também. E outras tantas nos levantamos, mas muitas delas é custoso manter-nos de pé.
    Um abraço para o José António!

    ResponderEliminar
  2. olá zé antónio ,,,
    lindo poema aqui nos deixas-te !
    e que bom que é saber que se cairmos , temos sempre alguem que nos estende a mão para nos levantar .
    beijinhos .


    ps - como é que vao as coisas ?
    já tens novidades da tua nova missão ?

    ResponderEliminar
  3. Obrigado Zita. Claro qe pode continuar a "copiar" os meus textos. É um orgulho. As nossas histórias têm episódios muito semelhantes!!!

    Obrigado também Teresa. As coisas vão bem. Já tenho algumas novidades quanto à nova missão mas ainda não posso adiantar pormenores. Logo que as coisas estejam totalmente definidas aqui o anunciarei.

    obrigado

    ResponderEliminar

Fidelidade (Great Is Thy Faithfulness)

A fidelidade do Senhor permanece para sempre!