4 de novembro de 2009

Apresentação às comunidades da UPA: Uma Igreja sem Fronteiras!

É regra comummente aceite do viver em sociedade que quando alguém chega a um determinado local para aí viver – como é o meu caso – se apresente aos que já ali estão.
Ora é alicerçado nesse princípio cívico que me apresento a cada um de vós, agora que chego para trabalhar na Unidade Pastoral de Águeda, ou na feliz abreviatura na UPA.
Faço esta minha simples apresentação com amizade e estima por cada um de vós que aqui se encontra e por todos aqueles que não estando aqui são nossos irmãos, porque filhos de Deus.
Chamo-me José António Carneiro, tenho 28 anos, e sou natural de uma vila da cidade de Guimarães que se chama S. Torcato. Sou diácono e pertenço à Arquidiocese de Braga e ao seu presbitério. Provenho de uma família católica, tenho quatro irmãos e depois de concluir os estudos nos Seminários de Braga e de ser ordenado diácono trabalhei em três paróquias do arciprestado de Vila Nova de Famalicão. Depois disso, estive como jornalista no Jornal Diário do Minho, da Arquidiocese de Braga, ao mesmo tempo que colaborava numa instituição social da Igreja que acolhe rapazes oriundos de famílias disfuncionais e ainda em duas paróquias do arciprestado de Braga.
Venho trabalhar convosco, reacendendo uma antiga colaboração entre as dioceses de Braga e Aveiro, e depois de um feliz entendimento entre os seus bispos, respectivamente D. Jorge Ortiga e D. António Francisco.
Venho porque a Igreja não deve ter fronteiras. Quando me ordenei sabia que o estava a fazer para me entregar de corpo e alma a Cristo e à sua Igreja.
Estou cá para anunciar o Evangelho. Sou cristão como vós, baptizado. Sou diácono da Igreja, ordenado para ser ministro de Cristo a quem quero servir futuramente como presbítero. Sou acima de tudo homem, companheiro de viagem, peregrino, como vós, a caminho do Senhor.
Não está definida a periodicidade desta minha estadia ente vós. Fico enquanto os meus superiores e a Igreja mo pedir, sem ir contra a minha pessoa e os meus princípios. Comprometo-me a dar o melhor de mim em favor de Cristo e da Igreja.
Da vossa parte espero amizade, compreensão e também compromisso nesta mesma missão de anunciar o Evangelho.

Podeis contar comigo porque a partir de hoje conto também convosco. Agradecido a todos.

(texto para ler em todas as paróquias e locais de culto da UPA ao longo dos próximos fins-de-semana)

Descobrir o essencial!

Diante do Senhor que vem, reconhecemos que os nossos caminhos não são os seus (cf. Is 55, 9) e somos impelidos a converter-nos, a mud...