5 de novembro de 2009

Desejo de ver a Deus



Em virtude da tua graça,

O meu único desejo,

O meu desejo ardente, é ver-te.
Que toda a imensidão da terra

Veja a tua salvação, Senhor;

Vendo-a, amo-a: a verdadeira vida é o teu amor!
Neste imenso desejo que me faz vibrar tanto,

Digo a mim mesmo:

Quem pode amar o que não se faz?

Eis porque, Senhor, a Quem desejo ver,

Minh’alma te procura.

Procuro contemplar a tua face.

Suplico-te: não a escondas de mim!
Para merecer ver a tua face claramente,

Caminhar sob a sua luz

E apreciar as suas delícias,
Eu entrego-me, Senhor, sem vacilar,
À vida, à morte.


Descobrir o essencial!

Diante do Senhor que vem, reconhecemos que os nossos caminhos não são os seus (cf. Is 55, 9) e somos impelidos a converter-nos, a mud...