21 de novembro de 2009

É Ele, o Reino




O Reino de Deus, o Reino que vem…;
É muito simples, é muito pouco:
Uma pequena semente,
Um nada de fermento…
É muito grande: mistério da vida, nesta pequena casca enegrecida,
Neste fragmento de massa lívida.


É Deus que nos ama; É Deus que vem caminhar
Para sempre ao nosso lado,
para dirigir os nossos passos incertos;
é o Filho que vem servir-se do som das nossas vozes,
para as harmonizar com a glória do Pai.


Ele dissera ao beduíno Abraão: faço aliança contigo,
E repete-nos: vou estar convosco para sempre (Mt 28, 20)


O filho veio para o meio de nós, passível e mortal.
Ei-lo, para sempre, constituído como Poder de Deus,
Aquele que nós ouvimos e vimos com os nossos olhos…,
Apalpámos com as nossas mãos… (1Jo 1, 1)


Companhia de Jesus que entre nós se apresenta
Aberta aos mais fracos, acolhedora para todos,
Que se instala sem ruído, sem congressos barulhentos,
Cuja carta é um pequeno livrinho de linguagem muito simples.


É demasiado discreto, demasiado apagado,
Para que alguns o vejam.
É tão simples como um serviço;
Apagado como uma serva delicada.
É silencioso, como uma semente na terra… que, noite e dia,
Germina e cresce (Mc 4, 26)


Os fariseus e os doutores de todos os tempos
Mantêm-se à distância.


Os filhos deste Reino são os pobres
Que nada têm neste mundo,
Que não têm bens que rebaixem os desejos:
Bem-aventurados os pobres,


Que não se revestem de uma força orgulhosa:
Bem-aventurados os mansos;


Que não se atordoam nas alegrias animais:
Bem-aventurados os aflitos;


Que não estão satisfeitos com as coisas tal como elas existem:
Bem-aventurados os que têm fome de justiça;


Que se não prevalecem dos seus direitos:
Bem-aventurados os misericordiosos.


Esses estão inteiramente dispostos a acolher Jesus-Rei. No seu coração
Como aquele pobre paralítico que jazia perto da piscina dos cinco pórticos
Como Zaqueu empoleirado na sua árvore…


Ambos renunciam ao pecado, ao que tinham,
Quando Jesus encontrou a sua miséria.


Jesus já o tinha dito ao doutor Nicodemos:
Para ver o Reino de Deus
É preciso nascer do Alto (Jo 3, 3).


M. Denis
Par Ti, Senhor

Valoriza os teus talentos! Não os enterres, nem congeles, não guardes só para ti!

O Evangelho está cheio de uma teologia simples, a teologia da semente, do fermento, de inícios que devem florescer. Cabe-nos a nós o ...