4 de dezembro de 2009

6.º dia do Advento: Preparando a Páscoa!!!




Parece que me enganei, mas penso que não…
Advento é hora e tempo de preparar a Páscoa.
Sim, começou o advento.
E a marcha, a caminhada dos tempos de Deus orienta-se já para aquele monte sobranceiro de Jerusalém. Para o Gólgota da nossa salvação. Para a gruta da ressurreição.

A luz do presépio de Belém aponta para a luz do sepulcro vazio, da vitória da vida sobre a morte, pelo Vivente.

Assim, mais que preparar Natal – o Natal de Jesus – é imperioso olhar já a noite da nossa salvação. Noite de Páscoa, de Luz, de entrega do Cordeiro inocente (ver abaixo S. João Damasceno sobre a fé), de abandono, de doação, de serviço. Claro que esta está precedida pela noite do nascimento, humilde e silencioso, como são as coisas de Deus.

Advento é tempo de espera. As mulheres são mais conhecedoras – até fisicamente – do verbo esperar. Mas, neste tempo de frente à eternidade do Deus que se faz tempo, história e pessoa… irrompe o Filho “no mundo em meses estabelecidos com nascimento, morte e ressurreição” (Erri de Luca).

Na linha deste propósito que assumimos neste tempo de Advento faço, para mim em primeiro lugar, e para quem quiser experimentar, uma simples sugestão de caminho.

Considero estes tempos litúrgicos tempos de graça, tempos favoráveis. São também tempos de conversão, de arrependimento, de recentrar a vida em Deus.

Advento deve ser tempo dos “3 P’s”. Explico: tempo de fazer coisas possíveis, coisas pequenas e fazendo-as aos poucos. É uma sugestão em aberto que pode ser aproveitada para pequenos gestos quotidianos. Para Deus, cada gesto conta, cada passo conta, cada palavra conta, cada sorriso conta, cada copo de água conta…

É triste a mercantilização do Natal. O espírito consumista da sociedade reduz e cinge o tempo do Advento à aquisição das prendas, das compras, do consumo… E nós cristãos corremos do risco de cair na armadilha, de não estarmos vigilantes, de passar ao lado da mensagem de Cristo.

Da minha parte comprometo-me a lutar contra este espírito consumista, desenfreado e veloz… Na simplicidade e no silêncio, proponho-me remar contra a corrente, forte e arrasadora, deste tempo…

Deste logo, na linha da mensagem da liturgia da Palavra de hoje, procurarei ser visão dos cegos, voz dos mudos, ouvido dos surdos… Na prática, procurarei que estas pessoas diferentes – indevidamente chamadas deficientes – tenham lugar de predilecção na minha vida. Sei que para Deus são predilectos, mas para mim, tantas vezes, não o são.

Fica este como meu compromisso de todo este tempo de Advento aliado à minha oração mais persistente e perseverante:


O Senhor é a minha luz e a minha salvação.


O Senhor é minha luz e salvação:
a quem hei-de temer?
O Senhor é protector da minha vida:
de quem hei-de ter medo?


Uma coisa peço ao Senhor, por ela anseio:
habitar na casa do Senhor todos os dias da minha vida,
para gozar da suavidade do Senhor
e visitar o seu santuário.


Espero vir a contemplar a bondade do Senhor
na terra dos vivos.
Confia no Senhor, sê forte.
Tem coragem e confia no Senhor.


_______________


Jesus, vinde ao nosso encontro.
Nós queremos preparar a vossa vinda.
Nós queremos receber-Vos.
Nós esperamos que nos deis
A vossa luz, a vossa paz, o vosso amor. Amén.

____________________________

Em dia litúrgico de S. João Damasceno, deixo mais um anexo


Sobre a fé
(Cap. I: PG 95, 417-419) (Sec. VIII)


Vós me formastes, Senhor, do corpo de meu pai; Vós me formastes no ventre de minha mãe; Vós me fizestes sair à luz, menino e nu, porque as leis da natureza seguem sempre os vossos preceitos.
Com a bênção do Espírito Santo preparastes a minha criação e a minha existência, não por vontade do homem, nem por desejo da carne, mas pela vossa graça inefável. Preparastes o meu nascimento com um cuidado superior ao das leis naturais, fizestes-me sair à luz do dia adoptando-me como vosso filho e me contastes entre os filhos da vossa Igreja santa e imaculada.
Vós me alimentastes com o leite espiritual dos vossos divinos ensinamentos. Vós me sustentastes com o vigoroso alimento do Corpo de Cristo, nosso Deus, vosso Filho Unigénito, e me inebriastes com o cálice divino do seu Sangue vivificante, que Ele derramou pela salvação de todo o mundo.
Porque Vós, Senhor, nos amastes e nos destes o vosso único e amado Filho para nossa redenção, que Ele aceitou voluntariamente e livremente; mais ainda, Ele mesmo Se ofereceu em sacrifício como cordeiro inocente, porque sendo Deus Se fez homem e por sua vontade humana Se submeteu, tornando-Se obediente a Vós seu Pai, até à morte e morte de cruz.
E assim, Senhor Jesus Cristo, meu Deus, Vos humilhastes para me levardes aos ombros como ovelha perdida e me apascentastes em verdes pastagens; Vós me alimentastes com as águas da verdadeira doutrina por meio dos vossos pastores, aos quais Vós mesmo alimentais, para que, por sua vez, alimentem a vossa grei, escolhida e nobre.
Agora, Senhor, pela imposição das mãos do vosso sacerdote, Vós me chamastes para servir os vossos discípulos. Não sei por que razão me escolhestes; só Vós o sabeis.
Senhor, tornai mais leve o peso dos meus pecados, com que Vos ofendi tão gravemente; purificai o meu coração e a minha inteligência. Sede para mim como uma lâmpada luminosa que me conduz pelo recto caminho.
Ponde as vossas palavras nos meus lábios; dai-me uma linguagem clara e fácil, mediante a língua de fogo do vosso Espírito, para que a vossa presença sempre me assista.
Apascentai-me, Senhor, e apascentai Vós comigo, para que o meu coração não se desvie nem para a direita nem para a esquerda; que o vosso Espírito me conduza pelo recto caminho e as minhas obras se realizem segundo a vossa vontade até ao último momento.
E Vós, nobre vértice da mais íntegra pureza, ilustre assembleia da Igreja, que esperais a ajuda de Deus, Vós, em quem Deus habita, recebei das nossas mãos a doutrina da fé, que fortifica a Igreja, tal como no-la transmitiram os nossos pais.

Descobrir o essencial!

Diante do Senhor que vem, reconhecemos que os nossos caminhos não são os seus (cf. Is 55, 9) e somos impelidos a converter-nos, a mud...