12 de fevereiro de 2011

Hístória de um poema


Um poema escondido no bolso
Escrito numa noite em segredo
Guarda das luzes a lua
E da cidade a magia.
Um poema que o silêncio cala
E as palavras sussurram baixinho:
Por ser nada e tudo sou proibido
E nem estas palavras existem.
com a devida vénia à autora

Descobrir o essencial!

Diante do Senhor que vem, reconhecemos que os nossos caminhos não são os seus (cf. Is 55, 9) e somos impelidos a converter-nos, a mud...