21 de fevereiro de 2011

História de um poema


Como eu gostava de inventar uma palavra…
A palavra Amor onde coubesse a razão.
Tento (d)escrever o que sinto…
E perco-me… como versos de um poema
Que subitamente chegam ao fim.
Gostava até de saber escrever poemas
Só para contar como é bom perder-me,
Mudar de verso e continuar…
E permanecer igual como perfume
Numa tira de papel.
Eu paro… porque a razão não se escreve,
O amor não se conta,
E os poemas não são meus.
… E as histórias continuam a escrever-se em poemas.
 (correspondência de poemas)

Descobrir o essencial!

Diante do Senhor que vem, reconhecemos que os nossos caminhos não são os seus (cf. Is 55, 9) e somos impelidos a converter-nos, a mud...