12 de abril de 2011

Ufa: ainda consegui hoje porque me "segredaram" ao ouvido!



Olá a todos os companheiros de caminhada.

Sei que as desculpas não se pedem, evitam-se!
Mas hoje sinto-me na obrigação de as pedir.

Eu sei que todos sabem da dificuldade da vida dos padres por estes dias de quaresma. E a minha não é diferente!
Entre confissões, celebrações, vista aos doentes... o tempo todo se esvai!...
Deixai que vos diga que hoje estive de manhã a confessar, a sacramentar e a celebrar Missa com doentes e idosos da Casa de Repouso, em Barrô. De tarde, estive a visitar doentes também na paróquia de Barrô. Pelas 17h, em Fermentelos a confessar dezenas de pessoas. Às 19h15, em Águeda, a presidir à Missa. Às 21h00 na igreja da Trofa a confessar durante 1h30minutos...
E só agora, (porque na Trofa alguém me segredou ao ouvido que era eu a escrever no blogue!) ao chegar a casa, para descansar de um dia muito cheio, dei conta que era mesmo o meu dia de partilhar convosco, sugerindo passos para a nossa caminhada conjunta....
Por tudo peço perdão. Sei que estive a fazer hoje e nestes dias intensos de Quaresma o que é a minha obrigação, minha missão e meu ministério! Todos compreenderão, com certeza.

Mesmo assim, não podia dormir descansado sem umas linhas de partilha para a nossa caminhada.
Volto a pedir desculpa pela minha acentuada, mas também aparente ausência. Pelo menos na minha oração não me esqueço dos meus colegas caminhantes.

E hoje partilho apenas e só mais um poema, escrito como resposta a liturgia de hoje:


Sei que és o Filho de Deus, Jesus,
E que Te fizestes homem para ensinar
Por meio da vida que levastes.
Muitos não compreenderam
Interpretaram mal
Ou não quiseram compreender
Por seres incómodo.
Hoje, quero que me faças coerente
Na vida e nas palavras.
Retira-me a hipocrisia e a falsidade
Das acções que não se coadunam com as palavras.

Quero que sejas meu ânimo
Minha bússola orientadora.

Que sejas minha força:
Tua Palavra alimento,
Tua amizade entusiasmo.
E Tu sejas sempre o meu centro.

Descobrir o essencial!

Diante do Senhor que vem, reconhecemos que os nossos caminhos não são os seus (cf. Is 55, 9) e somos impelidos a converter-nos, a mud...