15 de dezembro de 2011

Advento 2011. Afinal, ainda há profetas!?


[João Baptista] é aquele de quem está escrito: “Vou enviar à tua frente o meu mensageiro, que preparará o caminho diante de ti”.
Eu vos digo que entre os nascidos de mulher não há nenhum maior do que João”.





Senhor,
Nós pensávamos que os profetas estavam longe de nós,
Nós pensávamos que os profetas já tinham morrido,
Nós pensávamos que os nossos dias
Não eram dias de profecia…
E, contudo…
Quando menos o pensávamos,
Alguém nos desperta.
Quando menos o pensávamos,
Alguém nos interroga.
Quando menos o pensávamos,
Alguém nos surpreende.
Quando menos o pensávamos,
Alguém grita verdade, generosidade, coerência,
E nos sentimos “apanhados”.
Pensávamos que não era tempo de profetas
E há profecias e há profetas.
Olhamos para o lado para nos escaparmos,
E ali, para onde fugimos,
Também há profetas.

(adapt. A. Ginel)

Deus continua a precisar de profetas. Não dos que, como João Baptista, devem anunciar a Sua vinda, mas dos profetas-mensageiros-discípulos que já vivem e resplandecem com essa vinda.
Precisamos de ser rosto de Deus no mundo!

Descobrir o essencial!

Diante do Senhor que vem, reconhecemos que os nossos caminhos não são os seus (cf. Is 55, 9) e somos impelidos a converter-nos, a mud...