21 de dezembro de 2011

Advento-Natal 2011. Acender a luz da Páscoa na noite de Natal


O frio de Dezembro propicia a reunião da nossa família, no calor dos afectos e na ternura de encontros significativos.
Dezembro! Mês de fundamental importância, para nós, cristãos, porque celebramos o Nascimento do Menino Deus, que vindo na fragilidade da natureza humana se aproxima de nós para nos elevar até à sua altura e estatura. Admirável “comércio” este de um Deus que se rebaixa até ao extremo para elevar a humanidade, para nos elevar a todos.
Dezembro! Mês de tantos sonhos e dos seus cumprimentos: Em primeiro, do sonho de Deus, que se quer aproximar, baixar, curvar, que quer montar a sua tenda no meio de nós, para habitar connosco. Sonho divino de um mundo novo, de paz e de prosperidade. Sonho de uma fraternidade estendida a todas as franjas da sociedade, a todos os rincões da terra, mesmo aos mais recônditos. Depois, mês do cumprimento dos nossos sonhos humanos que precisam, continuamente, que os recentremos em Deus, fazendo Dele o nosso sonho real e o melhor de todos os sonhos. Fazer que os nossos sonhos estejam em sintonia com os sonhos de Deus é tarefa a empreendermos, desde já. Escreve o padre Tolentino de Mendonça: “Queres saber de que cor são os sonhos de Deus? / Volta a olhar o mundo pela primeira vez”. O sonho de Deus é o nosso mundo vivo, tal como a Sua glória é que vivamos!
Em cada ano litúrgico somos plenamente formados e moldados para apreendermos a coragem da espera, até que o Senhor venha. O ano cristão litúrgico é uma espécie de pedagogia da paciência. Escreve Timothy Radcliffe: “O Advento treina-nos na paciência para não começar a celebrar demasiado cedo, resistindo à tentação de celebrar o nascimento de Cristo, antes de Ele vir”. E acrescenta, assertivo: “apesar de as lojas estarem [já] cheias de sinais a dizer «Feliz Natal»”.
De facto, Jesus Cristo é dom, presente, prenda e, por ser isso, espera-se o momento em que é dado e ofertado. Mas, esta esperança não é passividade. Nem etimologicamente falando. Do latim, attendere (esperar), significa esticar-se para a frente. A espera atira-nos sempre para a frente, abrindo-nos, sem forçar nada, ao que virá, tal como uma mãe que está para dar à luz. A este respeito, Erri de Luca escreve, bem acertado, em “O Caroço de Azeitona: “só as mulheres, as mães, sabem o que é o verbo esperar. O género masculino não tem constância nem corpo para hospedar esperas”.
Todavia, tanto o Advento como o Natal atiram-nos mais para a frente, para nos levar ainda mais longe: atira-nos até à Páscoa. A marcha do tempo da liturgia orienta os nossos passos, com Cristo, para Jerusalém, para o Gólgota da nossa salvação, para a gruta da ressurreição, donde brota a luz que traz sentido e finalidade a todos os sonhos, até ao da Encarnação de Deus.
Preparando e celebrando o Natal de Jesus, é imperioso olhar desde já a noite da nossa salvação. Noite de Páscoa, noite da Vida. Claro que precedida pela noite do nascimento, humilde e silencioso, pobre mas feliz, tal como são as coisas de Deus.
A luz do presépio de Belém aponta-nos a luz e o brilho refulgentes do sepulcro vazio, da vitória da vida sobre a morte, pelo Vivente. A luz da Páscoa é, assim mesmo, acesa na noite de Natal!
Este ano não deverá ser diferente!


Meu Menino Jesus!

Tuas mãos tudo partilham
Mesmo a vida que nos trouxeste
e teus olhos, felizes, brilham
pelo “sim” que ao Pai disseste.

Pequenino e despojado
para usar a nossa veste
Tu és o Deus enviado
e nosso irmão Te fizeste.

Jesus Menino em Belém,
em Nazaré, Tu cresceste
homem, em Jerusalém
morte injusta sofreste.

Esperança de um mundo novo
na Tua vinda nos deste
Salvador de todo o povo
sê bem-vindo, porque vieste! 

Pe. JAC 

[Publicado na edição de 21 de Dezembro, no Correio do Vouga]

Descobrir o essencial!

Diante do Senhor que vem, reconhecemos que os nossos caminhos não são os seus (cf. Is 55, 9) e somos impelidos a converter-nos, a mud...