11 de dezembro de 2011

Advento 2011. João e José. Imperativos de Alegria!


Alegrai-vos sempre        no Senhor.
Exultai de alegria:            
o Senhor está perto.



Um passo em frente rumo ao Natal, neste 3.º domingo do Advento.
Acompanha-nos na liturgia deste domingo, João.
Acompanha-nos na Caminhada Diocesana “Família Esperança e Dom”, José.
Um e outro nos desafiam, inquietam e nos incomodam. Cada um a seu modo. Um e outro, para nós, imperativos a uma alegria plena e total.
João (no hebraico significa “Deus faz graça”) continua a retirar do si as luzes e os holofotes para os direccionar para o Deus no meio de vós. João, a voz (phonê) do que clama do deserto, continua a aquietar-nos interiormente, e a mostrar-nos a Palavra-Pessoa (Logos, Verbum, Dabar). A pedir-nos que façamos a mais pequena e também mais difícil viagem de recomeço e reinício: a que vai da nossa superfície exterior ao interior do nosso coração.
José (do hebraico significa “aquele que acrescente”), mesmo calado e mudo na Escritura, desafia-nos à justiça, ao esforço, ao trabalho, à dedicação. Valores e atitudes que vão sendo postas de lado no tempo e na sociedade que vivemos. Mas que precisamos de redescobrir com alegria.
Domingo da Alegria (Gaudete). Alegria porque o Senhor Jesus está próximo. Alegria porque mesmo no meio das crises e das tristezas generalizadas, Deus não nos vira as costas. Alegria porque o nosso Deus não mora num lugar lá longe de nós, inacessível a nós, mas mora pertinho, dentro até, da nossa vida, do nosso coração. Ele constrói a sua habitação, morada, tenda, junto de nós. Somos templo de Deus!
Quantos vivemos desse modo?
Redescoberta esta certeza, feita esta pequena grande viagem, exultamos de alegria e mostraremos que temos rosto de gente salva.
E com Maria, até cantamos aquelas belas palavras, elevadas a salmo responsorial, na Eucaristia deste terceiro domingo do Advento.

A minha alma glorifica o Senhor
e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador,
porque pôs os olhos na humildade da sua serva:
de hoje em diante me chamarão bem-aventurada
todas as gerações.

O Todo-poderoso fez em mim maravilhas:
Santo é o seu nome.
A sua misericórdia se estende de geração em geração
sobre aqueles que O temem.

Aos famintos encheu de bens
e aos ricos despediu-os de mãos vazias.
Acolheu a Israel, seu servo,
lembrado da sua misericórdia.

Valoriza os teus talentos! Não os enterres, nem congeles, não guardes só para ti!

O Evangelho está cheio de uma teologia simples, a teologia da semente, do fermento, de inícios que devem florescer. Cabe-nos a nós o ...