11 de julho de 2012

Quando somos mestres!?...




As pessoas religiosas pretenderam, muitas vezes, ter todas as respostas.
Viram que a sua missão era persuadir, forçar, nivelar as diferenças e impor, talvez, a uniformidade.
Existe, de facto, algo de Grande Inquisidor na maioria das pessoas religiosas.
Mas quando a religião começa a atemorizar ou a insinuar, deixou de ser espiritual, porque o primeiro dom do Espírito, que se agita criativamente na natureza humana, é a liberdade e a franqueza; em linguagem bíblica, liberdade e verdade.
A missão cristã é sensibilizar de novo os nossos contemporâneos para a presença de um Espírito dentro de nós mesmos.
Não somos mestres no sentido de que fornecemos as respostas que já descobrimos na contracapa de um livro.
Somos verdadeiramente mestres quando, tendo encontrado o nosso espírito genuíno, conseguimos inspirar outros a aceitar a responsabilidade do seu próprio ser, a empreender o desafio do seu anelo inato pelo absoluto, a encontrar o seu próprio espírito.

John Main, in Palavra que leva a Silêncio

Pe. JAC

Fake news e jornalismo de paz (Papa Francisco)

MENSAGEM DO PAPA FRANCISCO PARA O LII DIA MUNDIAL DAS COMUNICAÇÕES SOCIAIS [13 de maio de 2018] Queridos irmãos e irmãs...