31 de dezembro de 2012

Santa Maria Mãe de Deus, Senhora de Janeiro, do Dia Primeiro e do Ano inteiro!




A solenidade de Santa Maria Mãe de Deus assinala, liturgicamente, o fim da Oitava de Natal. No primeiro dia do ano civil de 2013, a Igreja inteira celebra Maria e contempla-a como Mãe de Deus e Mãe da Humanidade. Recebemos também a benção sacerdotal, contida no Livro dos Números: "O Senhor te abençoe e te guarde./ O Senhor faça brilhar sobre ti a Sua face e te seja favorável./ O Senhor dirija para ti o Seu olhar e te conceda a paz."

Também desde 1968, anexa a esta solenidade litúrgica está a celebração do Dia Mundial da Paz. Motivos mais que suficientes para a nossa oração, celebração e também para o nosso compromisso empenhado em sermos obreiros da paz. Como escreve Bento XVI na sua mensagem para este dia: "as inúmeras obras de paz, de que é rico o mundo, testemunham a vocação natural da humanidade à paz. Em cada pessoa, o desejo de paz é uma aspiração essencial e coincide, de certo modo, com o anelo por uma vida humana plena, feliz e bem sucedida. Por outras palavras, o desejo de paz corresponde a um princípio moral fundamental, ou seja, ao dever-direito de um desenvolvimento integral, social, comunitário, e isto faz parte dos desígnios que Deus tem para o homem. Na verdade, o homem é feito para a paz, que é dom de Deus".

Mas esta solenidade litúrgica de Santa Maria Mãe de Deus faz-nos direccionar, em uníssono, o olhar, o coração e a canção para a Mulher-Mãe pela qual nasce para nós o Autor da Vida, Aquele que hoje recebe o nome de Jesus, porque Deus Salva!
A ela, que nos dá o Salvador, elevamos a nossa oração, com as palavras ternas e meigas, tão divinas de tão humanas que são, de D. António Couto, e só rezamos:

Mãe de Deus,
Senhora da Alegria,
Mãe igual ao Dia,
Maria.

A primeira página do novo ano é toda tua,
Mulher do sol, das estrelas e da lua,
Rainha da Paz,
Aurora da Luz,
Estrela matutina,
Mãe de Jesus e também minha,
Senhora de Janeiro,
Do Dia Primeiro e do Ano inteiro.

Abençoa, Mãe, os nossos dias breves.
Ensina-nos a vivê-los como tu,
Sempre sob o olhar de Deus,
Sempre a olhar por Deus.
A grande verdade a tua vida,
O teu segredo de ouro.
Soubeste sempre que Deus velava por ti,
Enchendo-te de graça.
E tu soubeste sempre olhar por Deus,
Porque soubeste bem que Deus também é pequenino.
Acariciada por Deus,
Viveste acariciando Deus.

Por isso, todos de proclamaram "bem-aventurada"
E nós também de aclamamos "bem-aventurada".

Senhora e Mãe de Janeiro,
Do dia primeiro e do ano inteiro.
Acaricia-nos.
Senta-nos em casa ao redor do amor, do coração.
Somos tão modernos e tão cheios de coisas...
Tão cheios de coisas e tão vazios de nós,
De humanidade e de divindade.
Temos tantas coisas e falta-nos o essencial:
A tua simplicidade e alegria.

Faz-nos sentir, Mãe nossa,
O calor da tua mão em nossos rostos frios,
Insensíveis, enrugados,
E faz-nos correr, com alegria,
Ao encontro dos pobres e dos necessitados.

Que seja, e pode ser, porque Deus o quer e nós também podemos querer, um ano novo bom, cheio de paz, pão e amor, para todos os irmãos que Deus nos deu. Ámen.



Pe. JAC

Descobrir o essencial!

Diante do Senhor que vem, reconhecemos que os nossos caminhos não são os seus (cf. Is 55, 9) e somos impelidos a converter-nos, a mud...