8 de fevereiro de 2014

Não guardes o sal nem a luz! Poemas no V domingo comum




Não guardes o sal nem a luz!

Insípida a missão
De quem esquecer a razão
De ser sal e de ser luz.

Como a comida sem sabor,
Uma vida sem amor
Não é seguimento de Jesus.

Ser! Eis do Mestre a confiança
Que olha cada um com esperança
De ser vida com sentido.

Não guardes o sal no teu saleiro,
Ousa ser luz refulgente, qual candeeiro,
No rincão mais sujo, mais escuro e mais perdido.


Em ti brilha a luz!

Tem um sabor especial
Ser capaz de viver de Amor.
É como ser da terra o sal
Por ser discípulo do Senhor.

E ser rosto de Deus
É viver com a missão de amar,
É ser do mundo a luz.
Para a todos iluminar.

Tens tudo para ser discípulo de Jesus!
Em ti brilha aquela luz
Que reflecte o amor.
Tens do sal a força e o sabor
Que te tornam diferente.
Arrisca! Sente
Em ti vive a Vida
A partilhar e ser vivida.


Pe. JAC

Descobrir o essencial!

Diante do Senhor que vem, reconhecemos que os nossos caminhos não são os seus (cf. Is 55, 9) e somos impelidos a converter-nos, a mud...