21 de janeiro de 2009

Braga pede ajuda para capela de São Sebastião




A capela de São Sebastião das Carvalheiras precisa com urgência de um telhado novo que evite as infiltrações de águas – principalmente quando chove muito – e para tal a paróquia da Cividade e a Câmara Municipal de Braga estão a preparar um projecto para enviar ao Estado pedindo ajuda e intervenção para o imóvel. A informação foi adiantada ao Diário do Minho pelo padre Manuel Fonseca, pároco da Cividade, ontem de manhã, no final da Eucaristia cantada em honra de São Sebastião, precisamente no dia em que a Igreja celebrou a festa em honra do santo martirizado no século III.
«A candidatura a um programa de apoio estatal será enviada pela Câmara que já fez o projecto de obras necessárias, faltando agora, da nossa parte, finalizar o orçamento», assegurou o pároco da Cividade, que deu conta da possibilidade de, no futuro, o espaço envolvente à capela inaugurada a 20 de Janeiro de 1717, pelo Arcebispo D. Rodrigo de Moura Teles, estar aberto ao público. Para isso, é também necessário criar condições, desde logo com a construção de sanitários.
«Vamos fazendo frente aos problemas que, no dia-a-dia, vão surgindo na capela e ainda recentemente fizemos um arranjo exterior do templo» disse o padre Manuel Fonseca. As oliveiras colocadas no adro da capela foram podadas e nas escadas de acesso foi colocado um corrimão.
Para estas pequenas obras do quotidiano «vamos solicitando o apoio da Câmara Municipal da qual recebemos respostas positivas, embora até ao momento não tenha chegado nada» frisou o sacerdote que preside desde há cerca de dois anos à Comissão Administrativa criada para relançar a Confraria de São Sebastião, existente desde o século XIV naquela paróquia, mas nos últimos tempos inactiva.
O padre Manuel Fonseca reconheceu que a estrutura precisa de um restauro completo, quer do interior, quer do exterior quer do próprio espaço envolvente, que é um espaço privilegiado na cidade. Mas, as receitas não dão para tudo e pelo facto de os responsáveis daquele espaço agirem apoiados nas esmolas que vão chegando, torna mais difícil a tarefa da preservação.
A actual Comissão Administrativa vai evoluir, no futuro, para confraria. Recentemente, foi feita a renovação de estatutos e uma campanha de angariação e inscrição de novos irmãos, mas tem aparecido pouca gente.

Devoção dos bracarenses
ao advogado da fome,
da peste e da guerra
Na Eucaristia, o sacerdote recordou a história de vida de São Sebastião salientando a sua fé e coragem perante as perseguições do império romano, principalmente de Diocleciano.
Referiu ainda a profunda devoção que este santo tem em terras de Portugal, onde existem 92 paróquias que o invocam como padroeiro.
Também em Braga a devoção a São Sebastião é profunda e prova disso foi a presença de diversas dezenas de pessoas que participaram na celebração da manhã seguida de exposição do Santíssimo Sacramento. Durante o dia muitos foram os que passaram para adorar o Santíssimo Sacramento e, ao final da tarde, houve ainda recitação do terça e celebração eucarística.
Foi o caso de Maria Monteiro, da Cividade, que disse ter uma «grande fé e admiração pelo santo». Já Mário Silva destacou que a sua devoção a São Sebastião tem a ver com o facto de ser o «advogado da fome, da guerra e da peste».
Na mesma linha de pensamento, António Araújo queixou-se de a capela não estar aberta mais vezes e também de não se celebrar em mais dias. De momento, segundo o pároco, celebra-se Eucaristia na capela ao sábado, e não há motivos para se celebrar mais vezes.

Descobrir o essencial!

Diante do Senhor que vem, reconhecemos que os nossos caminhos não são os seus (cf. Is 55, 9) e somos impelidos a converter-nos, a mud...