22 de abril de 2009

«Ainda há amores de perdição!»


Filme de Mário Barroso, hoje no Bragashopping

«Ainda há, hoje em dia, amores de perdição!». É com esta base e com esta ideia que Mário Barroso sustenta a realização do filme “Um amor de perdição”, inspirado livremente na obra de Camilo Castelo Branco, e que hoje à noite, a partir das 21h30, passa em exibição, em antestreia, nos Cinemas Cinemax, do Bragashopping. Tomás Alves e Catarina Wallenstein, protagonistas do filme, estão confirmados nesta sessão.
Contactado pelo Diário do Minho, o realizador do filme começou por dizer que espera que os portugueses em geral gostem e apreciem o filme. «Não quero ensinar nada a ninguém», disse Mário Barroso, mas «espero que as pessoas vão ver o meu trabalho e o trabalho de uma equipa, às salas de cinema».
Impossibilitado de vir a Braga hoje, para esta antestreia, o realizador lamenta esse facto, todavia sente-se bem representado por Tomás Alves e Catarina Wallenstein, o par protagonista da trama, que vêm a Braga especialmente para a sessão de estreia do filme português.
O realizador apontou que se fez um trabalho de transição da obra camiliana para os nossos dias. O facto de haver uma inspiração, ainda que livre, na obra de um dos maiores escritores da história da literatura portuguesa, só «traz uma responsabilidade acrescida», garante Mário Barroso.
Os interessados poderão ver neste filme, segundo o realizador, «o drama, a revolta, a violência, a obstinação e o carácter inconformista de Simão». E justifica: «Em meu entender é isso que está no livro de Camilo, e não tanto a história de um amor impossível e proibido entre dois adolescentes».
O filme foi produzido por Paulo Branco e conta com Tomás Alves, Patrícia Franco, Catarina Wallenstein, Ana Padrão e Willion Brandão nos principais papéis. O argumento adaptado é de Carlos Saboga e a música de Bernardo Sassetti.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Semear e despertar a esperança!

Depois de muitos dias a ver aquela senhora a fazer aquilo o homem ganhou coragem e perguntou:  -Bom dia! Porque é que todos os dias ...