7 de abril de 2009

Mostra de cruzes processionais revela algo mais...


“A cruz que nos conduz” está patente na Oficina da Sé, da Paularte
Mostra de cruzes processionais revela porta da Bracara Augusta



A exposição de cruzes processionais com o título “A cruz que nos conduz” foi inaugurada na “Oficina da Sé” da Paularte, numa cerimónia que contou com a presença de Mesquita Machado. A sessão de apresentação serviu ainda para se dar a conhecer aquele espaço agora musealizado, e que revela uma das presumíveis portas da muralha romana da Bracara Augusta.
A exposição, integrada no programa da Quaresma e Solenidades da Semana Santa, é composta por 39 peças que pertencem, na sua maioria, ao acervo das igrejas e das capelanias das paróquias da cidade de Braga. Vai estar patente até ao dia 11 de Abril (Sábado Santo) no espaço que pertence ao empresário João Paulo Martins.
Em concreto, estão expostas cruzes de caminhos, cruzes processionais e cruzes de oratórios, imagens de Cristo crucificado, de Nossa Senhora dos Desamparados, caixa de esmolas e, ainda, um contador indo-português, envolvidas por uma decoração moderna, num ambiente tranquilo.
Na sessão, o cónego Jorge Coutinho começou por justificar a ausência do Arcebispo de Braga, a presidir à festa de Nossa Senhora das Dores, na basílica dos Congregados, e do Deão do Cabido, a participar numa reunião da Universidade Católica, em Lisboa.
De seguida, o presidente da comissão da Quaresma e Solenidades da Semana Santa agradeceu a disponibilidade manifestada por João Paulo Martins na realização da mostra, bem como o trabalho de todos os envolvidos, particularmente dos cónegos José Paulo Abreu e Manuel Joaquim Costa.
O capitular, ressalvando o gosto pela decoração do espaço renovado, afirmou que a mostra inaugurada «é sobre a cruz que vai à frente» de cada um, que é uma «cruz que simboliza a vida».
Mesquita Machado também se congratulou com a iniciativa e, de novo, relevou a envolvência cultural da Semana Santa de Braga. Sobre os achados arqueológicos sustentou que «ao contrário do que alguns pensam, enriquecem e valorizam o espaço». Nessa linha, agradeceu a disponibilidade do proprietário do espaço em preservar o património e deixar à vista de todos «sinais da presença romana na cidade de Braga».
Por sua vez, o proprietário do espaço que acolhe a exposição revelou tratar-se de uma casa com muito significado para a família. «Esta casa é importante para mim e para a minha família», disse João Paulo Martins, sustentando, de seguida, que também se deixaram guiar pela cruz de Cristo.

Achados valorizam espaço
Armandino Cunha foi o arqueólogo responsável pelo acompanhamento das obras de recuperação da actual “Oficina da Sé”, da Paularte. O arqueólogo da Câmara Municipal deu a conhecer aos presentes o trabalho desenvolvido no local com a finalidade de deixar à vista aquela que é presumivelmente uma porta de entrada da antiga muralha romana da Bracara Augusta.
Segundo o responsável, trata-se da primeira vez que foi detectado, em Braga, um «indício de uma porta de entrada da muralha romana». Essa porta seria a que dava acesso à via 19, que ligava Braga a Lugo.
«Após 30 anos de investigação sabíamos muitas coisas sobre a muralha da cidade, mas não sabíamos onde se localizavam as entradas (portas)», afirmou Armandino Cunha. Com esta descoberta está aos olhos de todos um «importante achado arqueológico do século III», concluiu.

Sem comentários:

Enviar um comentário

A Deus o que é de Deus!

De Deus é a terra é tudo o que ela contém, de Deus é o homem, aquele homem que é como um sopro que passa, mas que também é um pouco infe...