8 de abril de 2009

Igreja e sociedade devem respeitar pessoas deficientes


APACI celebrou Páscoa na matriz de Barcelos

A Igreja e sociedade em geral devem estar atentas e educadas para o respeito da diferença e para a integração social de pessoas portadoras de deficiência. Foi desta forma que o padre Abílio Cardoso – recentemente nomeado monsenhor – conclui a celebração pascal da Associação de Pais e Amigos de Crianças Inadaptadas (APACI), uma instituição que celebrou ontem 31 anos de existência como Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS).
Na igreja matriz de Barcelos, pouco antes de terminar a celebração, o também Prior da Colegiada desafiou a instituição a participar com alguma regularidade – «uma vez por mês», disse em concreto – numa Eucaristia da comunidade paroquial com a finalidade de ir educando quer a Igreja quer a sociedade civil para a atenção e o respeito a ter em relação às pessoas portadoras de deficiência.
Elogiando e ressalvando o trabalho que a instituição faz com os utentes, o monsenhor Abílio Cardoso deu o mote aos presentes para cantar os parabéns à instituição barcelense, fundada por Maria Eduarda Rego, actual presidente, e por Abílio Araújo, entretanto falecido.
Ao Diário do Minho a presidente da instituição falou do sonho futuro da APACI e que passa pela construção de uma casa para acolher 24 utentes. A instituição vai apresentar uma candidatura ao Programa Operacional do Potencial Humano (POPH) para que a construção dessa infra-estrutura que ficará sediada em S. Veríssimo (Barcelos) e para a qual já existe projecto e o apoio assumido da autarquia chefiada por Fernando Reis.
Maria Eduarda Rego revelou ainda que a APACI pretende fazer a reintegração de crianças e jovens deficientes e trabalhar pela dignificação dessas pessoas e suas famílias. Com 200 utentes, esta IPSS tem diversas valências como Intervenção Precoce, Ensino Especial, Ensino Profissional, Centro de Recursos, Centro de Actividades Ocupacionais, Unidade Residencial e Apoio Domiciliário.

Celebração animada
em igreja cheia
A celebração pascal da APACI foi animada e com igreja cheia, contando com a ajuda do coro da própria instituição na dinamização dos cânticos. Também o monsenhor Abílio Cardoso se uniu ao espírito festivo da celebração e, na homilia, deslocou-se até junto da assembleia para, de uma forma dialogada, extrair das leituras da missa uma mensagem concreta para os presentes.
O Prior de Barcelos começou por despertar a atenção da assembleia para o que verdadeiramente conta na Páscoa. Depois de as crianças e jovens terem chegado a Jesus o sacerdote atirou: «pois as amêndoas, as campainhas, as festas e os foguetes são importantes, mas estão em função de Cristo, que é o centro».
Dando o “salto da fé” para a ressurreição defendeu: «Jesus foi traído e entregue na noite das trevas e da morte, e com a sua ressurreição faz-se dia e alegria para todos».
Aos pais e familiares das crianças e jovens utentes da APACI pediu que continuem a amar os seus filhos e a quere-los com o mesmo amor e predilecção que Deus, em Jesus, os quer.
«O Evangelho faz-nos olhar para todos como irmãos. Ainda com mais sentimento e mais fervor quando esse outro é mais frágil, mais dependente e mais necessitado», concluiu.

Descobrir o essencial!

Diante do Senhor que vem, reconhecemos que os nossos caminhos não são os seus (cf. Is 55, 9) e somos impelidos a converter-nos, a mud...