30 de abril de 2009

Separação




Querer-te mal, porquê? Foste quem eras!
Um corpo gentil e perfeito
Que se moldava ao meu
A qualquer modo e jeito,
No bosque de todos os sonhos.

Que culpa tinhas tu quando esperavas
O lugar prometido no meu peito
E sais da vida e do meu leito
Com a simplicidade que chegavas.

A culpa tenho-a eu
Porque fui triste
Ao desejar no alto do meu sonho
Abraçar o bem que não existe.

Fui essa coisa fútil e complicada
Não me encontrando onde pensava
E encontrando-me onde não há nada.

inédito José António Carneiro

2 comentários:

  1. olá José!Este poema transmite arrependimento,reflexao , parece que deseja a reconciliaçao com a separaçao de que fala.
    O coelga de facto era o Justo!lol.
    Boa continuaçao na sua escrita.
    *

    ResponderEliminar
  2. obrigado. pode ser lido desse modo. devo dizer que não foi escrito com essa intençao. Tem a ver com as desilusões da vida, com os sonhos sonhados e ão concretizados, com a vida e a labuta do dia-a-dia. tem a ver comigo. não é pessimista como possa parecer.

    obrigado pelo comentário

    ah o justo também tem um blogue. não sei ainda qual o endereço mas sei que tem. vou tentar decsobrir.

    ResponderEliminar

Fidelidade (Great Is Thy Faithfulness)

A fidelidade do Senhor permanece para sempre!