7 de maio de 2009

D. Manuel Martins visitou prisão de Braga



Bispo Emérito de Setúbal pediu
redescoberta da dignidade pessoal

O Bispo Emérito de Setúbal esteve ontem à tarde no Estabelecimento Prisional de Braga e desafiou os reclusos a serem solidários e a aproveitarem todas as oportunidades que surjam no tempo de reclusão para redescobrirem o valor e a dignidade da pessoa humana. D. Manuel Martins participou na V Semana de Fé e Cultura, naquele estabelecimento, e transmitiu à população prisional de Braga uma mensagem de esperança e de confiança, apesar da contrariedade da falta de liberdade.
Numa das salas da prisão de Braga, D. Manuel Martins começou por falar do valor da solidariedade, defendendo que esta se pode viver dentro da própria cadeia, embora o lugar fundamental para a sua vivência seja a família, e daí se alargue a todos os âmbitos da vida. «A primeira lição que vos quero deixar é esta: O homem íntegro é solidário», afirmou aos presentes.
Desfiando vários episódios da sua vida, o prelado falou ainda da comunicação como aspecto fundamental da realização da pessoa humana.
D. Manuel Martins recordou aspectos do seu ministério episcopal, particularmente a entrada na diocese de Setúbal, no período pós 25 de Abril. Com ironia e boa disposição, foi recordando que é conhecido, em alguns quadrantes, por “bispo vermelho”. «É um facto que tomei como missão andar no meio do povo», frisou.
«Em alguns momentos achei que era mais necessário estar numa manifestação de trabalhadores do que celebrar missa», revelou aos reclusos.
Sobre a sua proximidade em relação à população prisional, destacou que, como bispo, visitou grande parte das cadeias portuguesas.
Em Setúbal, D. Manuel Martins visitava semanalmente a cadeia. «Falava com todos os reclusos e tomava nota do nome e da proveniência para falar com os párocos e estes falarem com as suas famílias».
Nesta linha, o prelado defendeu que «quando alguém visita um recluso deve fazê-lo sabendo que se visita um irmão que é imagem do próprio Deus».
Como é característica, D. Manuel Martins lançou “farpas” a algumas situações que vão ocorrendo na vida social portuguesa e, também, na vida da Igreja. «Faz parte da filosofia democrática actual que, quando alguém “grande” faz asneira, mandam-no logo para a Europa», denunciou, arrancando alguns comentários da plateia. «Muitos dos que estão presos – e são “pequenos” – deviam estar em liberdade e muitos dos que estão em liberdade – e são “grandes” – deviam estar presos», disse o bispo.
Concretamente sobre a vida eclesial, falou das designadas «elevações», ressalvando que, na Igreja, quando alguém é destacado para qualquer missão é sempre com o intuito de ajudar outros a elevarem-se. «Não há promoções na Igreja», afirmou.
Da plateia vieram, no final da intervenção, algumas perguntas para o prelado, mas também alguns elogios, sustentado a verticalidade e a coragem que sempre teve na denúncia das injustiças.

Prisão de Braga vai ter
grupo de voluntariado

O Estabelecimento Prisional de Braga vai voltar a ter um grupo de voluntariado, constituído a partir do Seminário Conciliar de S. Pedro e S. Paulo. A informação foi revelada pelo padre João Miguel Torres, que ficará, como noutros tempos, responsável por este grupo.
Em declarações, o sacerdote referiu que «o projecto educativo do Seminário prevê que os seminaristas tenham algumas experiências de visita à cadeia, como já vai acontecendo com alguns seminaristas».
A ideia é retomar o grupo de voluntariado – que, há alguns anos, chegou a ser o maior do país – na prisão de Braga. A partir daí, poderão advir outros projectos e iniciativas, referiu o sacerdote.

2 comentários:

  1. Eu só visitaria um preso,dependendo do crime que cometeu.Jamais falaria com alguem que violou uma criança.Acho que a prisao perpetua deveria existir para estes casos...Não acredito que um preso seja sempre um irmao de Deus....e queira receber e aceitar de boa vontade um outro irmão de Deus,é a minha opiniao!
    *

    ResponderEliminar
  2. Cada caso é um caso. Mas, em dignidade de pessoa eles não são menos que ninguém. Aliás, todos somos potenciais assassinos e criminosos...

    ResponderEliminar

A Deus o que é de Deus!

De Deus é a terra é tudo o que ela contém, de Deus é o homem, aquele homem que é como um sopro que passa, mas que também é um pouco infe...