5 de junho de 2009

Missa celebrada na cripta com projecção para o exterior

Peregrinação arquidiocesana ao Sameiro realiza-se domingo

A novidade mais relevante da peregrinação arquidiocesana a Nossa Senhora do Sameiro, que acontece este domingo, tem a ver com o facto da missa de encerramento ser celebrada na cripta do santuário. Para os peregrinos que porventura possam não ter lugar no interior da cripta e terão que ficar no recinto exterior, serão colocados dois painéis para fazer a projecção da celebração.
Depois da experiência do ano anterior em que a missa foi celebrada no recinto exterior, o cónego José Paulo Abreu, responsável da Confraria do Sameiro, disse ao Diário do Minho que a mudança de local da celebração é a única alteração relevante da peregrinação deste ano da Arquidiocese ao santuário mariano de Nossa Senhora do Sameiro.
Como habitual, a peregrinação sai da Sé de Braga, pelas 7h00, e segue o percurso normal, passando pelo Bom Jesus e chegando ao santuário localizado na freguesia de Espinho, pelas 11h00. Começa, de seguida, a Eucaristia que é presidida pelo Arcebispo Primaz e que pretende, segundo as intenções estabelecidas para este ano, «rezar por todos os desempregados, os sem pão, sem lar, carenciados, aflitos e os que vivem na miséria».
A juntar a estar intenções, não passará despercebido, segundo o também Vigário Geral da Arquidiocese, a celebração do Ano Paulino, que encerra oficialmente a 28 deste mês.
A Peregrinação Arquidiocesana ao Sameiro junta todos os anos milhares de pessoas numa devoção que pretende honrar Nossa Senhora, exaltando o seu papel fundamental na história da Salvação. As muitas paróquias com presença assídua fazem-se acompanhar de bandeiras, estandartes e cruzes paroquiais, numa peregrinação onde os cânticos, na sua maioria marianos, e a oração do Terço são também presença constante durante o trajecto de Braga até ao Sameiro.

Descobrir o essencial!

Diante do Senhor que vem, reconhecemos que os nossos caminhos não são os seus (cf. Is 55, 9) e somos impelidos a converter-nos, a mud...