29 de setembro de 2009

Novo Bispo Auxiliar tomou posse em Braga





O novo Bispo Auxiliar de Braga, D. Manuel Linda, tomou ontem posse nos Serviços Centrais da Arquidiocese. Este prelado junta-se agora ao também Bispo Auxiliar D. António Couto e ao Arcebispo Primaz, D. Jorge Ortiga. Na cerimónia de tomada de posse, o responsável pela Arquidiocese salientou que a Igreja de Braga está apostada em «gerar esperança» num contexto não apenas religioso como social, cultural e economicamente adverso. Curioso é olhar para os lemas dos dois bispos auxiliares e observar que têm a “esperança” como ponto comum.
Numa cerimónia «familiar», como a caracterizou D. Jorge Ortiga, foi dada posse a D. Manuel Linda como vigário-geral da Arquidiocese e como presidente da Comissão Arquidiocesana para as Vocações, Ministérios e Missões. Presentes, para além do Arcebispo Primaz e do Chanceler da Cúria, estiveram os dois vigários-gerais, cónego José Paulo Abreu e cónego Valdemar Gonçalves, o padre José Carlos Vilas Boas e Sá e diversos funcionários.
O Arcebispo de Braga disse gostar da «solenidade das coisas pequenas» e indicou aquela como um cerimonial que obedece a regras canónicas que «poderia decorrer com uma maior dimensão exterior» e com maior mediatismo. «Quisemos que isto decorresse num ambiente mais familiar», referiu D. Jorge Ortiga, acrescentando que a apresentação pública de D. Manuel Linda, ainda que sem nenhum momento em particular, decorrerá domingo, na Sé Catedral, na cerimónia que marcará a abertura do ano pastoral de 2009-2010.
D. Jorge Ortiga indicou que, tal como os seus auxiliares, não exercem o episcopado para fazer obra própria mas, acrescentou, «para que a Arquidiocese de Braga seja uma Igreja particular ao serviço do Evangelho e dos mais pobres».
Aliás, o prelado recordou os números estatais que dão conta que o distrito de Braga perde 951 empregos por mês e que, em um ano, a pobreza subiu 12 por cento, no mesmo território.
É neste contexto social adverso que o Arcebispo de Braga pediu ao seu novo bispo auxiliar que integre uma equipa episcopal e clerical arquidiocesana que pretende ser «instrumento de esperança». «A vinda de D. Manuel Linda é para nós, essencialmente, motivo de alegria e esperança», disse D. Jorge Ortiga, referindo que aquele novo bispo, pela experiência que tem - foi reitor do Seminário de Vila Real, Vigário Episcopal para a Cultura e Coordenador da Pastoral da Diocese de Vila Real –, vai dar «um novo alento ao trabalho vocacional».

Adeus emocionado
ao clero de Vila Real
O novo Bispo Auxiliar de Braga revelou que ainda na manhã de ontem, antes de viajar para Braga, se deslocou a um encontro de formação do clero de Vila Real onde aproveitou para se despedir. D. Manuel Linda não escondeu que se tratou de uma despedida emocionada mas frisou que, agora, «Braga é a minha casa e a minha “pátria”».
Depois de fazer a profissão de fé e do juramento previstos pela legislação canónica, o novo prelado bracarense disse que irá guardar «com carinho» o papel da sua provisão já que este é o primeiro serviço das novas funções como bispo.
Prometeu amizade aos sacerdotes e colaboradores da Cúria presentes, sendo que já é amigo de longa data do Arcebispo Primaz e do seu colega auxiliar D. António Couto.
Ao Diário do Minho, D. Manuel Linda disse que vai agora procurar conhecer melhor a realidade da Arquidiocese de Braga e não lamenta que as visitas pastorais – que estão suspensas durante este Ano Sacerdotal – não se realizem.
Tal como já tinha avançado D. Jorge Ortiga durante o próximo ano pastoral, que se inicia domingo, os bispos da diocese vão privilegiar o contacto «com todos os sacerdotes» da arquidiocese para, no Ano Sacerdotal, conseguirem estabelecer «comunhão com todos». É, precisamente, deste contacto pessoal que D. Manuel Linda diz esperar ficar a conhcer a realidade da Arquidiocese de Braga, os seus valores e debilidades.
Quanto à sua nomeação para liderar a Comissão Arquidiocesana para as Vocações, Ministérios e Missões, o bispo refere que esta corresponde a uma orientação de distribuição das diversas funções da arquidiocese.
Sobre D. Jorge Ortiga, o novo bispo auxiliar não escondeu que nutre «profunda e longa amizade» com o Arcebispo Primaz. Sobre D. António Couto, seu colega auxiliar e pouco mais velho, D. Manuel Linda refere que já são amigos há muitos anos, desde que se conheceram no tempo em que ambos estudavam.
Curioso é olhar para os lemas episcopais dos dois Bispos Auxiliares de Braga. O lema adoptado por D. António Couto é “Vejo um ramo de amendoeira”, que tal como o profeta Jeremias constitui um grito de esperança no “Inverno” que parece se ter abatido sobre o homem contemporâneo. Por seu turno, D. Manuel Linda escolheu como lema “Sede alegres na esperança”, o que vai de encontro à mensagem que o próprio Arcebispo Primaz tem procurado transmitir face ao clima de desalento social e espiritual instalado.

Diário do Minho

Refulgir a Luz. [João Baptista]

João Batista é “a voz que clama no deserto, que “aplaina o caminho do Senhor”. Ele foi enviado por Deus como precursor e como “testemun...