27 de fevereiro de 2010

Ideias Partilhadas na Homilia do II Domingo da Quaresma:


Evangelho: Transfiguração de Jesus
1. Texto não é uma crónica jornalística
2. É uma catequese sobre Jesus que revela e apresenta Este como o Filho amado de Deus que vai concretizar o plano salvador em favor dos homens através do dom da própria vida, da entrega total por amor.
3. Olhemos mais o texto: A transfiguração acontece antes da subida para Jerusalém, o lugar da entrega. Como que a dizer que a glória da transfiguração precisa de passar pelo sofrimento e pela Cruz para chegar à ressurreição.

4. Olhemos as muitas referências ao A.T.:
a. “Monte” – é o lugar da revelação de Deus. É o intermédio entre a terra e o céu. É o lugar do diálogo com Deus.

b. “Mudança de rosto e das vestes” – recordam e evocam o resplendor de Moisés ao descer do Sinai onde recebeu os Mandamentos da lei.

c. “Nuvem” – é sempre indicativa da presença de Deus, que caminha com o povo, pelo deserto, e o guia.

d. “Moisés e Elias” – representam a Lei e os Profetas. Segundo a teologia judaica, estes deveriam aparecer no “dia do Senhor”. Falam da morte de Jesus como “êxodo” (partida, passagem) que se concretiza em Jerusalém. A morte de Jesus é uma morte libertadora, redentora.

e. “Sono” – é simbólico. Pretende dizer que os discípulos – Pedro, Tiago e João representam os demais – não querem entender que a glória do Messias tenha de passar pelo sofrimento e pela cruz.

f. “Tendas” – é uma alusão à Festa das Tendas comemorativa do êxodo do Povo hebreu, que na caminhada do deserto habitava em tendas e onde havia a tenda de Deus, a tenda do encontro. Significa que os discípulos querem perpetuar este momento de glória sem que Cristo tenha de passar pela cruz.
5. Mensagem central: Jesus é o Filho amado do Pai que oferece gratuitamente a salvação a todos os homens por meio da sua entrega no alto da cruz, por amor e de uma vez para sempre.

6. A transfiguração é assim a prefiguração da ressurreição de Jesus, e também da nossa, como vitória sobre a morte.

Primeira leitura: Gn 15.

Abraão – modelo dos que acreditam. Pais dos crentes.
Confiou plenamente nas promessas de Deus.
Apesar de velho, sem filhos, sem terra… mesmo assim confia na promessa de Javé.

Até que ponto eu confio em Deus?
Mesmo no meio das tempestades, dos terramotos e dos sismos no Haiti ou no Chile, dos aluviões e das derrocadas na Ilha da Madeira, dos tornados e dos mini-tornados um pouco por todo o mundo ou até do vendaval que nos invade por estes dias… apesar de tudo consigo pôr a minha confiança e a minha esperança no Senhor?
Ele é mesmo a minha luz e a minha salvação?
Segunda leitura: Fil 3

Paulo quer dizer aos Filipenses e hoje a cada um de nós que a nossa caminhada rumo a Cristo não está terminada. É um processo construído dia a dia e é feito de intimidade, de oração e de uma maior conformação com Cristo.
Paulo acentua que para isso é necessário mudar, transformar, transfigurar e converter o coração. O exterior importa muito menos que o interior. Deus vê o interior, olha o coração.
Estou disposto a aceitar transformar o meu coração, rumo à vida nova de Deus, que Cristo nos alcança pela sua transfiguração plena que é a ressurreição?

Continuemos irmãos o nosso caminho nesta Quaresma que é a estrada de Luz e de Jesus, ao encontro do Pai, onde nos encontraremos todos transfigurados e ressuscitados.

Diác. José António
27.02.2010

3 comentários:

  1. Olá senhor Diácono da nossa pequena cidade de Águeda!

    Sou uma Caminheira do Clã 21 - MLK (águeda)

    Apenas deixar aqui esta musica: http://www.youtube.com/watch?v=_CJvVJg6G18

    Gosto do Blog e das reflexões!

    ** Ana **

    ResponderEliminar
  2. As leituras deste Domingo fazem-nos reflectir em como precisamos de orar, para que haja mudança na nossa vida.
    Com tanta correria e distracção, tantos "chamamentos" a dispersarem-nos o caminho, damos conta, que estamos ainda no "fundo" do monte.
    Falta-nos a vontade, falta-nos o conhecimento de quem nos espera lá no "cimo" para poder-mos dizer como os discípulos:
    "Que bom é Senhor, estarmos aqui!"

    A "aproximação" de Deus transforma, ilumina e dá sentido à vida...
    Ainda é tempo, para no dia a dia, degrau a degrau subirmos a "escada" que nos levará a contemplar a Luz do Ressuscitado.
    Sentiremos, então, a Sua presença caminhando connosco...
    Rezemos como Jesus, para que surja em nós, não a transfiguração, mas a transformação.

    Resto de um bom Domingo.

    ResponderEliminar
  3. assim seja,

    modificados e ressucitados,

    obrigada pela partilha,

    GISELE

    ResponderEliminar

Alma que espera...

A esperança é sempre uma boa aposta se for esperança em Deus. Ele é que é a fonte da esperança e Ele não desilude! Eu confio...