15 de setembro de 2010

Loucura de Amor


Quem é que,
tendo muito de qualquer coisa que estima,
E perde um,
Vai à procura do que se perde
E deixa para trás tudo o resto?
Deus!
O nosso Deus!
Só Ele, na sua suprema bondade e amor,
É capaz de deixar tudo o resto
Para ir buscar apenas um que seja e se perde!


Que maravilha de Deus!
Ele deixa noventa e nove ovelhas
Para ir buscar uma que se tresmalha.
Ele agiliza todos os meios
Para procurar uma de dez dracmas que se perde.


Como é reconfortante a certeza de um Deus
Que é capaz de tudo para vir ao meu encontro
A fim de me fazer encontrar.
Sim!
Não é tanto Ele que me encontra
Quanto me faz encontrar-me comigo mesmo.
É este o nosso Deus, revelado por Jesus:
Amável,
Clemente,
Paciente,
Misericordioso
E louco de amor.


Para Deus vale mais a ovelha que se perde
E a dracma que sume
Que todas as que permanecem.
Ele busca as perdidas.
Não as abandona nem esquece e assim faz connosco.


Não valemos menos para Deus quando pecamos,
Quando nos perdemos, sumimos ou desaparecemos.
Na sua bondade, Ele procura-nos para que nos encontremos.
Não temamos quando nos perdemos,
Pois Deus ama-nos sempre se nos abrimos ao Seu Amor.


Que loucura de amor,
Que excesso,
Que medida larga usa Deus connosco.


Que mais queremos
Que um Deus que nos ama como somos?


Que mais queremos de Deus que é Pai Pródigo,
Que respeita a nossa liberdade,
Mas que está sempre de braços abertos para nos acolher.


Obrigado, Deus,
Pela Tua loucura de Amor!

Descobrir o essencial!

Diante do Senhor que vem, reconhecemos que os nossos caminhos não são os seus (cf. Is 55, 9) e somos impelidos a converter-nos, a mud...