27 de setembro de 2012

Diário da Missão Jubilar. Belas heranças recebidas e que se recebem. D. António Baltasar Marcelino



Diário da Missão Jubilar 7
 
D. António Marcelino sucedeu a D. Manuel de Almeida Trindade. Foi nomeado bispo coadjutor em 1980 e bispo coadjutor com direito de sucessão 1983. Em 1988, assumiu a titularidade da diocese que já bem conhecia.
Do atual bispo emérito de Aveiro destacamos a realização do II Sínodo Diocesano, que atualizou para a nossa Diocese o Concílio Vaticano II e o consequente novo Código de Direito Canónico de 1983.
A respeito do Sínodo escrevia: “Sínodo Diocesano quer dizer caminhada em comum dos cristãos da Diocese, para que, todos juntos, bispo, presbíteros, diáconos, religiosos e leigos, nos esforcemos, de modo organizado e constante, na nossa renovação segundo o Evangelho e na renovação cristã da Diocese, com as suas paróquias, comunidades, serviços, movimentos e instituições. Seguindo o nosso objetivo pastoral para estes anos – Da Comunhão à Missão – vamos, assim, empenhar-nos todos para que a nossa Igreja Diocesana seja, cada vez mais, uma verdadeira comunidade cristã e também, de modo bem visível, uma generosa e pronta servidora dos homens, nossos irmãos, e de toda a nossa sociedade aveirense”.
Na sua preocupação pela formação doutrinal e pastoral criou o Instituto Superior de Ciências Religiosas de Aveiro.
Criou o Fundo Diocesano de Compensação do Clero para a sustentação digna do clero e, como consequência da sua especial atenção ao mundo universitário, instituiu o Centro Universitário Fé e Cultura para o qual construiu um edifício apropriado.
Durante o seu episcopado, foi ainda comprado ao Estado o antigo “paço episcopal” para aí funcionarem serviços da Cáritas.
Promoveu a renovação e ampliação do edifício do “Clube Stella Maris”.
Para assinalar os 50 anos da restauração da Diocese, promoveu o Congresso dos Leigos de 08 a 11 de dezembro de 1988, que foi muito importante para o conhecimento da realidade diocesana e para a reflexão sobre a vocação dos leigos na Igreja.
De D. António Baltasar Marcelino a Diocese e a Igreja continuam a receber o serviço generoso e o acolhimento afetuoso ao jeito do Bom Pastor, bem como a lucidez de pensamento e a retidão das palavras sábias e proféticas. Comprova-o a crónica semanal que escreve no Jornal diocesano "Correio do Vouga" e que é publicada, consequentemente, em vários outros jornais do País.

Valoriza os teus talentos! Não os enterres, nem congeles, não guardes só para ti!

O Evangelho está cheio de uma teologia simples, a teologia da semente, do fermento, de inícios que devem florescer. Cabe-nos a nós o ...