14 de abril de 2013

Declaração de amor. Poema no terceiro domingo da Páscoa




A divindade de Jesus
Nele mesmo se traduz
Em cada gesto, em cada acção...
Mesmo depois da ressurreição.

E é vivo, ressuscitado,
Por Deus sempre animado,
Que volta aos discípulos a aparecer,
Desafiando-os a pescar e a crer.

No meio da praia, na bonança,
Chama-os para a refeição
Alimenta-lhes a fé e a confiança
Enche-lhes a rede do coração.

De coração cheio, a transbordar
Pedro declara, sem hesitar,
Que Cristo Senhor
É todo o seu amor.
Com o coração assim saciado,
Pelo Amor entranhado,
Sigamos a nova luz
Que é Cristo Jesus.


Pe. JAC

Descobrir o essencial!

Diante do Senhor que vem, reconhecemos que os nossos caminhos não são os seus (cf. Is 55, 9) e somos impelidos a converter-nos, a mud...