22 de janeiro de 2015

Conheço o frio da noite...


Conheço o frio da noite
De Janeiro.
Cortante e bravio,
Como caudal do rio
Depois a bátega do céu.

Conheço o frio da noite
De Janeiro,
E das noites frias do ano inteiro.
Não sei se o sinto primeiro 
depois o penso  
Mas sei que o sinto
Cruel e inteiro!

Conheço o frio da noite
À margem e ao centro 
Este frio intransigente da noite
Será só por fora ou por dentro?

Sem comentários:

Enviar um comentário

A Deus o que é de Deus!

De Deus é a terra é tudo o que ela contém, de Deus é o homem, aquele homem que é como um sopro que passa, mas que também é um pouco infe...