9 de junho de 2009

Mundo moderno deve ser reconstruído por valores humanos


D. António Couto em Vieira do Minho

O Bispo Auxiliar de Braga afirmou ontem que o mundo moderno deve ser reconstruído por valores humanos, como o amor, a verdade, a fidelidade e a confiança e «não tanto pela construção de bancos e outros edifícios». Denunciando uma cultura moderna que se vai voltando mais para a morte do que para a vida, D. António Couto pediu, na peregrinação arciprestal de Vieira do Minho, a mais de um milhar de pessoas que saibam viver os valores humanos e cristãos à imagem de Maria, «ícone mais perfeito de Deus» e «bússola para os nossos olhos».
No alto do monte, em Cantelães, o prelado que fez todo o percurso da peregrinação desde a igreja da vila até ao cruzeiro, começou por acolher os fiéis no que chamou «santuário a céu aberto» ou então «pequeno céu na terra». Com uma dezena de sacerdotes, D. António Couto presidiu à Eucaristia de encerramento da peregrinação e começou, cintando o Papa Bento XVI, por explicitar o sentido do verbo “adorar” que «implica boca-a-boca, beijar» e que manifesta «intimidade», «confiança», «amizade» e «ternura».
Na homilia, o Bispo Auxiliar afirmou que «a fé é uma segurança pessoal» que «assenta na confiança, na fidelidade e no fiar-se em Deus». Ao olhar o mundo moderno «a cair aos bocados, feito em cacos» defendeu que «as pessoas perderam a segurança e a confiança porque perderam a ternura e a intimidade».
Denunciando um certo relativismo e individualismo do mundo actual, presente na baixa taxa de natalidade que se vai registando, afirmou que «os lares estão a desfazer-se» e «os cemitérios e casas funerárias estão a aumentar». Assim, «diminuem as mães, diminui a ternura e o afecto e diminui também Deus», frisou.
Em dia de eleições para o Parlamento Europeu, o prelado não passou ao lado do tema e afirmou que a anunciada e registada abstenção alta revela falta de confiança e de fidelidade dos eleitores nos candidatos. «Há muita desconfiança e insegurança dos eleitores» afirmou D. António Couto.
A este respeito, apontou que há a necessidade de, cada vez mais, haver «verdade» nos programas eleitorais e acima de tudo nos candidatos. E apontou Nossa Senhora como exemplo: «se fôssemos eleger Maria a eleição seria mais participada porque Ela é de confiança, é fiel».
Com um discurso claro e simples, o prelado afirmou que «falta no mundo de hoje pessoas que vivam os valores que se vêem em Maria». Para o bispo «Maria é o ícone para a reconstrução dos valores em Portugal». «O mundo só pode subsistir se se basear na verdade, na ternura, no amor, na fraternidade e a solidariedade», referiu.
A peregrinação do arciprestado de Vieira do Minho a Nossa Senhora da Fé assinalou também os 250 anos da inauguração daquele santuário. Houve tempo, ainda, para uma equipa da paróquia de Cantelães levar a cabo uma campanha de angariação de fundos que revertem para a construção do Lar de Idosos Padre Lima, daquela comunidade. Segundo o padre Nuno Campos, é um projecto financiado pelo Pares que custa mais de 870 mil euros e para o qual a comunidade não tem dinheiro.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Fidelidade (Great Is Thy Faithfulness)

A fidelidade do Senhor permanece para sempre!