4 de fevereiro de 2009

O pão do amor


Corro sem saber aonde chego
mas não paro confundido
e ando em busca do sentido
para ver se a luz da meta recebo.

Lanço-me ao caminho, confiante,
procurando encontrar a companhia
e esbarro em alguém em agonia
que precisa de ajuda urgentemente.

Em qualquer esquina jaz, caído,
um pobre faminto de um pão
e de um sorriso consolador.

E da minha rota já saído
dou algo de mim do coração
porque afinal só precisa de amor.

inédito José António Carneiro
10/11/2008

foto aqui

5 comentários:

  1. "Eu queria ser uma lágrima para nascer nos seus olhos, deslizar na sua face e morrer nos seus lábios."
    Autor: (Victor Milech)

    Fonte:
    http://www.frasesnaweb.com.br/amor/3/

    ResponderEliminar
  2. Usuale:

    Conheço essa frase. Parece coincidência, mas li-a ontem à noite num poemário antigo.

    Penso que as lágrimas nunca morrem: Deus guarda-as todas e depois oferece-as em forma de chuva.

    Obrigado pelo comentário.

    ResponderEliminar
  3. O pão do Amor é o mais necessário na nossa vida, especialmente hoje em dia, quando parece que todos andam tão violentos, precisam de amor!!! Continua a oferecê-lo a quem te pede! Gostei muito do poema!

    Um abraço amigo!

    ResponderEliminar
  4. De facto, num mundo tão sedento e queixoso de coisas e coisinhas, as pessoas esquecem-se do mais importante: o amor próprio e para com os outros.

    Eu não me quero esquecer disso e gostava que ninguém esquece-se.

    Obrigado Sandra pelo comentário

    ResponderEliminar
  5. Olá!
    Obrigada por mais este momento.
    Sim, e que na nossa vida e neste mundo tão "cheio" mas tão faminto, saibamos ser sempre distribuidores do Pão do Amor!
    Um abraço com amizade!

    ResponderEliminar

Semear e despertar a esperança!

Depois de muitos dias a ver aquela senhora a fazer aquilo o homem ganhou coragem e perguntou:  -Bom dia! Porque é que todos os dias ...