4 de fevereiro de 2009

O pão do amor


Corro sem saber aonde chego
mas não paro confundido
e ando em busca do sentido
para ver se a luz da meta recebo.

Lanço-me ao caminho, confiante,
procurando encontrar a companhia
e esbarro em alguém em agonia
que precisa de ajuda urgentemente.

Em qualquer esquina jaz, caído,
um pobre faminto de um pão
e de um sorriso consolador.

E da minha rota já saído
dou algo de mim do coração
porque afinal só precisa de amor.

inédito José António Carneiro
10/11/2008

foto aqui

Entrevista ao "De Colores"

Quando chega um qualquer dissabor fixo-me naquele primeiro amor que me fez firmar a vida toda em Cristo, transformando as dificuldades e...