15 de junho de 2009

Maior compromisso e esforço supera dificuldades da fase piloto


Implementação do RAP na Região de Braga


Todas as mudanças acarretam em si mesmas mais dificuldades e exigências novas que, por sua vez, necessitam de maior compromisso, mais trabalho e simultaneamente exigem um desalojamento e desacomodação constantes nas formas de estar e trabalhar. Com a fase de experimentação da Renovação da Acção Pedagógica (RAP) a caminhar a passos largos para a sua conclusão, é natural que vários agrupamentos da maior região escutista do país sintam muitas dificuldades na implementação das novas metodologias.
A conclusão da fase de experimentação do RAP acontecerá em Setembro de 2009 e, com a aproximação do termo, vai sendo hora de avaliar a forma como tem estado a decorrer a fase piloto do projecto para que, em 2010, as novas metodologias sejam alargadas aos agrupamentos de todo o território nacional com a devida chancela e aprovação dos agrupamentos que o experimentaram.
O Diário do Minho auscultou alguns dos 24 agrupamentos da Região de Braga para perceber as implicações e as dificuldades sentidas na aplicação do RAP.
Não há agrupamento que não revele dificuldades ao nível da realização do diagnóstico inicial, que exige mais tempo, mais burocracia, mais responsabilidade, acompanhamento mais personalizado e contínuo e vem revelar a necessidade de os agrupamentos terem mais adultos/dirigentes.
Ilídio Vila, do Agrupamento de Arentim (Braga), disse ao DM que as maiores dificuldades encontradas são as que caracterizam todos os projectos que arrancam de novo. E concretizou: «mais tempo disponibilizado para planeamento, mais burocracia, a necessidade de mais adultos no agrupamento tornou-se mais premente, os guias têm sentido mais trabalho, o tempo que levam os diagnósticos iniciais e as negociações pessoais para atingir os objectivos individuais é demasiado, tendo em conta aquele que dispomos semanalmente para toda a actividade escutista».
Segundo Bernardino Miranda, do Agrupamento de Requião (Famalicão), os momentos de mudança nunca são fáceis, porque o próprio ser humano é um “animal de hábitos”.
Além disso, as dificuldades trazidas pelo RAP podem ser vistas por duas perspectivas: a do escuteiro e a do dirigente. «Ao escuteiro, o RAP pede uma maior autonomia e uma maior atenção ao seu progresso», ao passo que ao dirigente ou educador, para além de uma atenção cada vez mais individual e personalizada que deve dar aos seus escuteiros, deve ter em conta as suas vivências do dia-a-dia, na família, no grupo de amigos e na escola», referiu Bernardino Miranda.
No Agrupamento de Creixomil (Guimarães), a maior dificuldade tem sido a interiorização das novas regras e novas exigências. «A divisão em áreas pedagógicas vem trazer mais responsabilidade quer aos chefes quer aos escuteiros. Para os chefes, em particular, a exigência é maior dado que têm um trabalho mais profundo a desenvolver com o escuteiro e um acompanhamento mais permanente e personalizado», aclarou Manuel Soares. Mas «agora não basta chegar, é preciso continuar no trilho certo, ou seja, não chega fazer uma vez, é preciso fazer continuadamente».
O Agrupamento de Medelo é o único do Núcleo de Fafe que está a experimentar o RAP. Os responsáveis referem que as dificuldades desta implementação estão a ser «diminutas». Segundo José Maria, monitor do agrupamento e tutor de Núcleo de Fafe do projecto RAP, o sucesso desta implementação reside, por um lado, no facto de todos os dirigentes terem formação específica e, por outro, no facto de o Núcleo e a Região colmatarem as dificuldades que vão surgindo com formação e esclarecimentos pertinentes.
A avaliação do progresso individual de cada escuteiro que agora exige um acompanhamento contínuo, atento e quase geral da vida do elemento é uma das dificuldades maiores encontrada pelos responsáveis do Agrupamento de Cervães (Vila Verde).
Cristiano Barbosa apontou que «apesar de ser um método completo de avaliação, existem muitas barreiras a transpor», sendo a principal o número elevado de elementos escuteiros e o reduzido número de adultos e dirigentes.
Neste agrupamento está a ser difícil a compreensão dos elementos mais novos acerca dos objectivos a cumprir. «É muito difícil explicar a um miúdo de 11 ou 12 anos o que é um objectivo tão abstracto como “reconheço as minhas emoções e sei exprimi-las com naturalidade e sem magoar os outros”», revelou.
No primeiro agrupamento escutista criado em Portugal – o Agrupamento 1 da Sé (Braga) – também se têm sentido dificuldades na aplicação do RAP.
Luís Veloso apontou duas: a realização do diagnóstico inicial a todos os elementos do agrupamento, porque implica para os dirigentes um acréscimo de dezenas de horas na preparação e realização desse objectivo e na escassez de material de apoio na fase inicial deste processo.

Um ano para “arranhar”
Porfírio Faria, do Agrupamento 456 de Silvares (Guimarães), anotou que a súbita mudança no sistema de progresso, os diagnósticos iniciais, a iniciativa das crianças e jovens para escolherem os trilhos e os objectivos a atingir são algumas das dificuldades mais visíveis e sentidas.
Além disso, o dirigente vimaranense mostrou que a logística não acompanhou devidamente os agrupamentos piloto que sentiram muitas dificuldades em arrancar com pouco ou quase nenhum material de apoio.
A aplicação do RAP só estará no seu esplendor no próximo ano já que este está a ser um ano experimental, com muitas dificuldades e dúvidas. «É um ano para ‘arranhar’», afirmou.
No Agrupamento 994 das Caxinas, também existem dificuldades até pelo facto de ser o único do Núcleo Cego do Maio (que engloba 17 agrupamentos de Vila do Conde, Póvoa de Varzim e Esposende), que aderiu à fase piloto do RAP.
Deste modo, «algumas questões de orgânica, comunicação, organização ou outras que surgem no dia-a-dia, têm de ser resolvidas pela experiência pessoal dos dirigentes», refere Milton Castro.
Também para o Agrupamento de Caldas das Taipas (Guimarães) as dificuldades maiores residem no diagnóstico inicial para cada elemento e também no facto de a nova forma de trabalhar implicar maior envolvimento dos dirigentes e dos elementos.
No Agrupamento 660 de Montariol (Braga), a maior dificuldade é a limitação do tempo para pôr em prática as novas metodologias e, por isso, dois anos desta fase piloto talvez fosse o ideal e não um ano. Este método ajuda ao crescimento autónomo de cada elemento mas, há algumas dificuldades em motivar.

Descobrir o essencial!

Diante do Senhor que vem, reconhecemos que os nossos caminhos não são os seus (cf. Is 55, 9) e somos impelidos a converter-nos, a mud...