15 de junho de 2009

Dirigentes de Braga elogiam mudanças pedagógicas incluídas pelo RAP



A maior parte dos agrupamentos da Região de Braga do CNE que estão a experimentar as novas metodologias trazidas pela Renovação da Acção Pedagógica (RAP) é unânime e consensual a defender que apesar da maior exigência, as vantagens e os aspectos positivos suplantam dificuldades e críticas apontadas ao novo projecto.
No caso de Arentim, um agrupamento que está a completar o seu 5.º ano de vida, o RAP tem sido «uma oportunidade para repensar o caminho há pouco iniciado e, assim, redireccionar os esforços». Ilídio Vila entende que apesar das dificuldades, «tem sido positivo todo o empenho que a maioria dos escuteiros e dirigentes têm dedicado à nova metodologia». Este responsável no agrupamento de Braga pela implementação do RAP não duvida que o projecto de renovação traz mais exigência, mais empenho, mas, sobretudo, permite repensar o caminho a seguir. «O interesse dos jovens e das crianças é mais notório tendo em conta algumas das alterações efectuadas», afirmou.
O chefe do Agrupamento 257 de Requião vê na maior aproximação que o RAP exige entre os vários agentes que fazem parte do dia-a-dia do escuteiro um dos aspectos mais positivos e relevantes do projecto de renovação.
Contudo, as vantagens não se ficam por aqui e Bernardino Miranda elenca também os objectivos educativos que «estão mais actuais do que nunca». «Cada vez mais, o jovem está no centro da nossa acção», contou ao DM. Para os educadores e dirigentes, este projecto trouxe «regras mais bem definidas» e uma «maior consciência da missão de educar».
O responsável aponta, ainda, com agrado a renovação feita ao nível da mística e da simbologia, agora «mais rica», permitindo dar uma formação humana e cristã integral, mais «sólida e madura».
Para o chefe do Agrupamento de Creixomil a aceitação dos escuteiros em relação às novas exigências a que estão sujeitos está a ser um dos pontos positivos desta fase piloto do RAP.
Manuel Soares entende que as vantagens iniciadas com o novo projecto são «a todos os níveis», concretamente nas seis áreas de desenvolvimento previstas, que melhoram significativamente a evolução do escuteiro como homem, com cristão e como cidadão. O RAP ajuda, também, na aceitação do próximo, aproxima os escuteiros ainda mais de Deus, de Jesus e da sua Palavra. «Ajuda-nos a conhecer-nos melhor a nós próprios e a sermos efectivamente diferentes para melhor daqueles que não têm a sua vida alicerçada nos valores, práticas e vivência que o escutismo, embora com mais de 100 anos de vida, ainda continua a oferecer aos jovens», revelou.
Em Medelo, do ponto de vista das vantagens do RAP salienta-se o «empenho dos rapazes e raparigas em conseguir o máximo, para assim atingir a anilha de mérito». «Não somos apologistas do facilitismo, mas a dedicação dos guias, chefes de grupo e chefes de unidade torna tudo mais simples», aponta José Maria, que enaltece a «interligação entre as quatro secções», como outra das vantagens do RAP.
Para os responsáveis do agrupamento vilaverdense de Cervães, o projecto de renovação do movimento está bem trabalhado em termos de mística. Além disso, «não há dúvidas que este sistema de progresso em termos de conteúdos é muito mais coerente com o mundo de hoje, e faz todo o sentido na óptica do crescimento individual e colectivo dos jovens», declarou Cristiano Barbosa.
No Agrupamento da Sé, apesar de ser um «trabalho difícil» e que, à partida, exige um maior número de dirigentes, uma das grandes vantagens do RAP é o diagnóstico inicial porque «deu para entender qual a realidade do agrupamento», disse Luís Veloso.
O Agrupamento de Silvares destaca a maior qualidade que o RAP traz ao escutismo. Os diagnósticos iniciais que levam os dirigentes a conhecer melhor cada um dos elementos, a exigência feita aos escuteiros de serem eles a escolher os objectivos a alcançar, o facto de haver mais encontros com as equipas de animação e a melhor preparação das reuniões do grupo são aspectos concretos que o RAP veio melhorar.
Porfírio Faria apontou que as inovações inseridas trazem muito de positivo ao movimento melhorando significativamente a forma de educar as crianças e jovens. «Traz muito mais trabalho é certo, mas só com mais trabalho e mais exigência se pode fazer escutismo de qualidade», frisou.
Apesar das dificuldades, o Agrupamento das Caxinas está com a motivação em alta para colaborar no crescimento dos jovens escuteiros.
A maior virtude do RAP reside numa maior aproximação entre os escuteiros, pais e dirigentes, em especial com o diagnóstico inicial, no qual «os pais tiveram uma longa conversa particular com os dirigentes sobre os seus filhos, revelando situações que escapam ao dirigente», referiu o chefe da segunda secção do Agrupamento das Caxinas.
O positivo que o RAP traz, para os escuteiros das Taipas, é o fortalecimento da relação elemento-chefe. Além desta, o progresso pessoal de cada elemento e a motivação que os escuteiros demonstram para atingir os seus objectivos parece ser uma vantagem do novo projecto que apesar de ter algumas arestas para ajustar, desperta nos elementos mais interesse.
Em Montariol regista-se como positivo, desde logo, a oportunidade do RAP, além da boa estruturação e enquadramento do novo método. As mudanças favorecem a autonomia de cada elemento, a simbologia está mais enriquecida, há mais ligação entre as secções e há maior flexibilidade de objectivos, sustentam os dirigentes.

Agrupamentos da fase piloto
da Região de Braga e Viana

Dos 24 agrupamentos da Região de Braga que estão a experimentar as novas metodologias da Renovação da Acção Pedagógica (RAP), oito pertencem ao Núcleo de Guimarães, o mais numeroso da Região. Segue-se Famalicão com cinco, Braga com três, e Barcelos e Vila Verde com dois. Os núcleos de Vieira do Minho, Póvoa de Lanhoso, Fafe e Cego de Maio têm um agrupamento nesta fase piloto. Destaque ainda para o Agrupamento de Monserrate que é o único da Região de Viana do Castelo que está na fase de experimentação, com supervisão da Região de Braga.

Região de Braga
1 Sé (Braga)
5 Ronfe (Guimarães)
13 Barcelos (Barcelos)
89 Delães (Famalicão)
200 Polvoreira (Guimarães)
257 Requião (Famalicão)
291 Calendário (Famalicão)
312 Louro (Famalicão)
323 Santa Eufémia de Prazins (Guimarães)
346 Cervães (Vila Verde)
418 S. Paio (Vila Verde)
441 Castelões (Famalicão)
456 Silvares (Guimarães)
527 Amparo (Póvoa de Lanhoso)
566 Creixomil (Guimarães)
618 Galegos Santa Maria (Barcelos)
660 Montariol (Braga)
663 Moreira de Cónegos (Guimarães)
666 Caldas das Taipas (Guimarães)
702 Mesão Frio (Guimarães)
966 Medelo (Fafe)
994 Caxinas (Cego de Maio)
1004 Guilhofrei (Vieira do Minho)
1273 Arentim (Braga)

Viana do Castelo
103 Monserrate (Viana do Castelo)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Fidelidade (Great Is Thy Faithfulness)

A fidelidade do Senhor permanece para sempre!