18 de dezembro de 2015

Podia ser Natal...






1. Natal, tempo de voltar a casa!
Tornou-se viral, nos últimos dias, o anúncio publicitário, de origem alemã, no qual se alerta para uma situação cada vez mais frequente da nossa sociedade: o abandono dos mais velhos. Isto ocorre particularmente numa sociedade competitiva em que nos situamos, quando os mais novos se dedicam, sofrega e vertiginosamente, às suas vidas, às suas coisas, aos seus trabalhos, a si e só a si...
Sim, vivemos no tempo da amnésia e do alzheimer! Do esquecimento e da ingratidão! Vivemos no tempo dos filhos que se esquecem dos pais e dos pais que se esquecem dos filhos. Dos irmãos que não se falam, dos vizinhos desconhecidos.
Colectivamente, perdemos a memória. Da casa, do lar, da família, da reunião.
Que bom se redesenhássemos as relações e reatássemos as comunhões! Que bom se o Natal fosse, outra vez, o tempo de voltar a casa!



2. Misericórdia, outro nome do Natal!
Chega o Natal em tempo de misericórdia. O Papa Francisco convocou toda a Igreja para a celebração de um Jubileu Extraordinário da Misericórdia, neste ano pastoral, celebrando-se os 50 anos do encerramento do Concílio Ecuménico Vaticano II.
O Verbo de Deus é o rosto da misericórdia do Pai, que é clemente, paciente e compassivo para com todos os seus filhos. O Deus feito Menino, em Jesus de Nazaré, é o amor em movimento, a misericórdia feita acção, porque Deus toma a iniciativa, dá o primeiro passo para vir ao nosso encontro, viver e ficar connosco, até ao fim.
A misericórdia é, pois, outro nome do Natal. Atingidos por esse rio inesgotável da misericórdia do Pai, sejamos pois capazes de ser misericordiosos como o Pai.


3. Natal de porta aberta!
Sim, chega o Natal. E com ele chegam luzes e sons que soam a falsidade.
A denúncia é desse homem, que veio "do fim do mundo", para abanar e abalar os nossos comodismos eclesiais, eclesiásticos e sociais. Diz Francisco que as festas de Natal tornam-se vazias e soam a falso perante um mundo que escolheu “a guerra e o ódio", que deixam um rasto de ruína por toda a parte.
Não sei se o Papa Francisco é ou não ouvinte dos UHF. Mas, em todo o caso, no "longínquo" ano de 1995, lançaram uma dessas canções intemporais que são autênticas profecias ou orações:

Podia haver uma luz em cada mesa
E uma família em cada casa
Jesus em Dezembro, aqui na Terra
Podia ser Natal e não ser farsa.

A história certa é
Natal de porta aberta
A ceia servida é a vida
Do Criador

Podia ser notícia o fim da amargura
Que divide os homens por trás dos canhões
A fome e a miséria servem a loucura
Que forja profetas e divide as nações.

A história certa é
Natal de porta aberta
A ceia servida é a vida
Do Criador

Podia ser verdade o tom e o discurso
Desse velho actor falando aos fiéis
Mas nada se passa na noite do mundo
Máscaras de dor, pequenos papéis

A história certa é
Natal de porta aberta
A ceia servida é a vida
Do Criador

A história certa é
Natal de porta aberta
Podia ser Natal...


Texto publicado na edição do Correio do Vouga, de 16 de Dezembro de 2015


Sem comentários:

Enviar um comentário

A Deus o que é de Deus!

De Deus é a terra é tudo o que ela contém, de Deus é o homem, aquele homem que é como um sopro que passa, mas que também é um pouco infe...